Segunda-feira 11 de Novembro de 2019
Inicio / Noticias / Algarvios mobilizaram-se pela paz mundial

Algarvios mobilizaram-se pela paz mundial

A fase primeira e de maior visibilidade desta acção que procura sensibilizar as populações para os valores universais da paz, justiça e solidariedade teve também lugar no passado sábado, dia 18 de Dezembro, em vários pontos do Algarve. Do Barlavento ao Sotavento, diversas foram as zonas algarvias que não quizeram deixar de se associar a esta causa. Outras, mais serranas, como Cachopo e Martinlongo, procurando adaptar a proposta às suas características de interior, irão realizar a acção hoje, dia 22 de Dezembro e dia 24 de Dezembro, respectivamente. A segunda fase de “Dez Milhões de Estrelas – Um Gesto pela Paz” terá lugar, no próximo dia 24 de Dezembro, no seio de cada comunidade familiar com o gesto de acendimento de uma vela que colocada à janela, entre as 21 e as 23.30 horas, significará a sua comunhão com o propósito da paz mundial. Faro Em Faro, a iniciativa mobilizou largas centenas de farenses (e não só) que convergiram para o Largo de São Luís, em frente da antiga capela daquela comunidade paroquial, devidamente iluminada com fotoforos (vasos de barro com cera) que serviram também para compor, com a ajuda dos escuteiros, a palavra “paz” nos degraus que lhe dão acesso. Antes, concentraram-se em frente da Escola Secundária João de Deus, o antigo Liceu, para depois partirem daí em marcha silenciosa pela paz encabeçada pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, pelo presidente da Cáritas Diocesana, Carlos Oliveira e pelo Vereador do Pelouro da Solidariedade Social da Câmara Municipal de Faro, Paulo dos Santos. Já em pleno Largo de São Luís, após a intervenção do diácono Luís Galante que ajudou os presentes a reflectir sobre a temática da acção seguiu-se a vertente cultural da noite. Os primeiros a actuar foram os membros da Banda de Jazz da Associação Filarmónica de Faro, seguindo-se o acordeonista aluno do Conservatório Regional do Algarve Maria Campina, Silvino Campos. A noite seria ainda abrilhantada pelo grupo de dança da Escola Secundária João de Deus, coordenado pela professora Sofia Henriques, pelo grupo de jovens da paróquia de São Pedro de Faro, “Cantando a Palavra”, e pelo popular cantor farense, Vitor Silva. No final da acção em que estiveram também presentes alguns párocos da vigararia de Faro, nomeadamente da Sé e de São Luís de Faro, respectivamente, padres Mário de Sousa e António Rocha, de Olhão, padre Luís Gonzaga e da Moncarapacho e Fuseta, padre Alberto Teixeira, foram lançados no céu alguns balões brancos, símbolo desse desejo de paz mundial tão implorado naquela noite de Dezembro. Portimão Em Portimão, depois da caminhada que teve início nas 3 paróquias da cidade, a concentração dos participantes deu-se pelas 19 horas na “Alameda” em frente da igreja do Colégio, o­nde durante a tarde esteve patente uma exposição de trabalhos alusivos à paz, justiça e solidariedade, realizados pelas crianças das catequeses das 3 comunidades paroquiais portimonenses. Largas centenas de pessoas, entre os quais muitas crianças e jovens que intervieram activamente no enriquecimento cultural da noite, encheram por completo o espaço fronteiro à igreja do Colégio cuja fachada foi ficando, ao longo da noite, iluminada com os fotoforos. A intervenção dos párocos das comunidades de Nossa Senhora da Conceição (Matriz) e de Nossa Senhora do Amparo, respectivamente cónego José Pedro Martins e padre Arsénio da Silva, marcaram o início da vertente cultural da acção, procurando dirigir à numerosa assembleia presente uma breve palavra de saudação e de esclarecimento dos objectivos da iniciativa promovida pela Cáritas. Tendo sido, cada dimensão da temática (paz, justiça e solidariedade), atribuída respectivamente a cada uma das comunidades paroquiais da cidade, Matriz, Vicariato Paroquial do Sagrado Coração de Jesus (Pedra Mourinha) e Nossa Senhora do Amparo, foram sendo apresentados pelos diversos grupos, momentos culturais e artísticos que integraram desde coros falados, a canções e expressões corporais. No final da intervenção de cada uma das paróquias, as crianças de cada comunidade distribuiram pela assistência algumas estrelas em cartolina com mensagens de Natal, previamente preparadas. No decurso dos momentos constantes do programa, os escuteiros que construíram, com toros de madeira, uma estrela de grandes dimensões, foram procedendo à sua iluminação com os fotoforos. A acção, transmitida em directo pela Rádio Costa D’Oiro, foi ainda abrilhantada pela participação da Tuna Académica do Pólo de Portimão da Universidade do Algarve e pela actuação de um cantor local. A noite terminaria com um “Concerto de Natal” pela Orquestra Regional do Algarve, que teve lugar, pelas 21.30 horas, na igreja matriz de Portimão. Monchique Em Monchique, a acção pela paz teve lugar, pelas 21 horas. A população concentrou-se junto ao quartel dos Bombeiros, o­nde houve um espectáculo abrilhantado por três artistas locais, os acordeonistas António Camilo e Vitor Silva e o organista/cantor António Correia. No final da vertente cultural da noite, coube ao pároco local, padre José Águas, fazer uma intervenção sobre a paz. No seu breve discurso o sacerdote aludiu os presentes para o significado da iniciativa e para a importância do entendimento mundial entre os povos. De seguida, acenderam-se os fotoforos e teve início a marcha silenciosa pela paz que levou as centenas de participantes até ao início da rua Duarte Pacheco. Chegados ao início da rua, os populares iluminaram o espaço circundante com as velas em vazos de terracota. Entre os participantes esteve presente a presidente da Junta de Freguesia de Monchique, Graça Batalim. Lagos Também Lagos aderiu pela segunda vez à manifestação pública a favor da paz. No dia 18 de Dezembro, em Budens, pelas 17.45 horas, um grupo de crianças da catequese paroquial, acompanhadas pelos seus pais e catequistas, bem como por diversos membros da comunidade, estiveram na Bôca do Rio a cantar a paz. Na cidade, centenas de pessoas, concentraram-se, pelas 19 horas, junto à estátua de São Gonçalo, tendo o mar como cenário. Aí, os populares, tendo acendido os fotoforos para iluminação da praça, reflectiram sobre a paz mundial, a partir de uma projecção de imagens inspiradas em algumas mensagens do Papa para o Dia Mundial da Paz. Na Luz de Lagos, no miradouro da Fortaleza, pelas 21 horas, realizou-se um outro momento de sensibilização para a paz, estando presentes as diversas comunidades da paróquia. As crianças e os jovens participaram activamente na iniciativa com a interpretação de canções, recitação de poemas e a leitura de mensagens. Apesar do frio que se fazia sentir ninguém arredou pé e a noite terminaria com um gesto pela paz: o envio de balões brancos para o mar. Silves Em Silves, apesar da adesão da população ter sido menor do que no ano passado, a organização da acção foi melhorada. Dois grupos concentraram-se em locais diferentes: um frente à Câmara Municipal e outro frente aos Bombeiros Voluntários, tendo partido de seguida pelas ruas da cidade cantando hinos de paz. Reunidos no Largo dos Mártires, procedeu-se ao acendimento dos fotoforos, formando um coração, símbolo da paz, de grandes dimensões. Aos participantes, acolhidos em quatro línguas diferentes (português, moldavo, búlgaro e ucraniano) de modo a integrar também as comunidades estrangeiras presentes em Silves, foi explicado o significado da acção e, depois de lidos alguns excertos da mensagem do Papa para o Dia Mundial da Paz, deu-se início à componente cultural com uma representação do grupo de jovens da paróquia, cuja temática era «O que é a Paz?». Após a representação juvenil foram lidos alguns textos sobre o amor e a paz, nomeadamente um texto judaico, uma citação bíblica (em português, moldavo, búlgaro e ucraniano) e uma tradução de uma passagem do Al Corão e, para finalizar, foi projectada uma apresentação sobre a temática: «Qual a razão porque somos pela Paz?». De salientar que o coro foi animando os participantes com cânticos intercalados com os diferentes momentos da noite. S. Bartolomeu de Messines Em São Bartolomeu de Messines, a iniciativa contou com a participação de algumas centenas de pessoas e teve lugar também na noite do dia 18 de Dezembro. A população começou por concentrar-se no largo da igreja paroquial, por volta das 21 horas, tendo partido de seguida, em marcha silenciosa pela paz, para o largo da feira. Chegados ao local o­nde deveria ter continuidade a acção de sensibilização para a paz, tomou a palavra o pároco, o padre Augusto Brito, que sensibilizou os presentes para a necessidade da paz mundial. O sacerdote sublinhou que «a paz começa no coração de cada um, sendo depois transmitida na família a comunidade presente pôde assistir a alguns momentos culturais que contaram com a participação da Associação de Teatro Penedo Grande, do grupo coral da paróquia e de alguns grupos da catequese paroquial. Ferreiras Na paróquia das Ferreiras, o dia 18 de Dezembro coincidiu com a organização da Festa de Natal da Catequese que propositadamente teve como temática englobante a paz. Assim, pelas 17 horas, no final da festa que envolveu crianças e jovens, todos se reuniram no anfiteatro à saída da igreja paroquial, juntamente com os pais e amigos, para celebrar e pedir pela paz mundial. Os jovens animaram então aquele momento em que foi escrito com os fotoforos a palavra “paz”.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …