Sexta-feira 23 de Agosto de 2019
Inicio / Noticias / Celebração do 1º aniversário da tomada de posse de D. Manuel Quintas como Bispo do Algarve no Dia Diocesano do Clero

Celebração do 1º aniversário da tomada de posse de D. Manuel Quintas como Bispo do Algarve no Dia Diocesano do Clero

Após o acolhimento pelas 10 horas, seguiu-se uma reunião presidida pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas que fez uma sumária avaliação sobre o programa pastoral referente ao ano 2004/2005, salientando, por um lado, o que foi realizado no cumprimento dos objectivos propostos e, pelo outro, referindo os aspectos que deverão ser tidos em conta, para o futuro, apresentando também as respectivas sugestões para o próximo programa pastoral. Fez ainda algumas reflexões sobre a aplicação da Concordata e com o diácono Luís Galante prestou todos os esclarecimentos solicitados por alguns párocos e terminou dando algumas informações sobre vários eventos eclesiais diocesanos, lembrando o 50º aniversário da ordenação sacerdotal dos padres Joaquim Soares e António Campos a acontecer no próximo mês de Agosto. Pelas 11 horas, D, Manuel Quintas presidiu à concelebração Eucarística, tendo proferido uma homilia sobre a Eucaristia, o Sacerdócio e a Comunhão Eclesial, reflectiu, em síntese, textos de João Paulo II e Bento XVI sobre o tema referido, servindo-se do seguinte esquema: 1 – Herança de João Paulo II e as exortações de Bento XVI; 2 – Eucaristia e Sacerdócio, na Comunhão Ecclesial; O testamento missionário de João Paulo II, a mensagem de Bento XVI. Num perfeito e alternado entrosamento do pensamento de João Paulo II e de Bento XVI, sobre o esquema referido, o Bispo do Algarve procurou, com muita simplicidade e clareza, incutir nos presentes a importância e a necessidade de todos procurarem “redescobrir a amizade com Cristo, fazendo dela a chave da nossa existência sacerdotal”, procurando, igualmente, viver em sintonia com Cristo, pois, “o segredo de uma vida sacerdotal genuína é o amor apaixonado por Cristo que conduz ao anúncio apaixonado por Cristo…”. De seguida acentuou a importância de uma espiritualidade Eucarística cuja vivência faz com que “Cristo continue a falar-nos, também nos dias de hoje, coração a coração”. E continuou: “as palavras da consagração Eucarística modelam-nos e transformam-nos, constituindo, uma fórmula de vida”. Concretizando como deve ser a espiritualidade sacerdotal disse que é de relação e de amizade; é oblativa em união com a caridade do Bom Pastor, é transformadora porque faz de nós um sinal claro do próprio Jesus, é mariana porque aprendida na escola de Maria, é comunhão eclesial, é ministerial, ou seja, de serviço, é missionária e Eucarística, sempre imbuída de acção de graças, de quem se sente amado pelo Senhor e por quem o quer amar totalmente e fazer com que Ele seja amado por todos. Prosseguindo a citar e a comentar, referiu que a vida sacerdotal “está centrada na Eucaristia, como mistério pascal que se anuncia, se celebra, se vive e se comunica aos outros…”. Assim, “se não experimentarmos a intimidade com Cristo, a identidade e a existência sacerdotal atenuam-se e deste modo já não encontramos sentido para a nossa vida”. A este respeito D. Manuel Quintas afirma, citando o discurso de Bento XVI aos sacerdotes e diáconos da diocese de Roma, que “a intimidade com Cristo é uma prioridade pastoral; por isso, o tempo para estar na presença de Deus, em oração, é uma verdadeira prioridade pastoral, em definitivo, a mais importante”. Depois, continuando a comentar o discurso acima referido, falou do relacionamento do sacerdócio com a Eucaristia que fundamenta a relação com a Igreja como corpo eclesial de Cristo. E referiu a importância da comunhão eclesial escutada na obediência… sublinhando também que o amor a Cristo e à Igreja aprende-se na intimidade com o próprio Cristo, presente na Eucaristia…”. E terminou referindo-se, respectivamente à Mensagem de Bento XVI na inauguração do seu pontificado. A primeira constitui o verdadeiro testamento missionário de João Paulo II, que nos convida a imitar Cristo, “Pão partido” e por isso todos os apóstolos de Cristo deverão ser também “Pão partido” para toda a humanidade de modo que todos vejam neles o próprio Cristo… A mensagem de Bento XVI que recorda a exortação de João Paulo II na inauguração do seu pontificado insiste na abertura das pontes da nossa vida à amizade de Cristo… Por fim, citando mais uma vez o discurso de Bento XVI, o Bispo do Algarve afirmou que “a vida Eucarística, sacerdotal e missionária, na comunhão da Igreja, aprende-se vivendo no cenáculo com Maria, Mãe de Jesus e também nossa Mãe, a Senhora da Orada em cuja ermida nos reunimos e cuja protecção solicitamos tanto para o nosso trabalho apsotólico, como para a nossa existência pessoal”. Seguiu-se um almoço oferecido pela vigararia de Albufeira, em Paderne e uma visita às construções de areia em Pêra e aos campos de golfe.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …