Inicio / Igreja / Escutas de Albufeira entregam 400 kg de rolhas para campanha do CNE e Quercus

Escutas de Albufeira entregam 400 kg de rolhas para campanha do CNE e Quercus

Antes das 11h da manhã, já os Exploradores do agrupamento de Albufeira se reuniam no Algarve Shopping para começar a descarregar a carrinha de caixa aberta e o ligeiro de passageiros carregados do material de campanha. As rolhas, recolhidas sobretudo em 53 restaurantes do concelho de Albufeira e angariadas também por alguns particulares, foram entregues para serem agora recicladas e reconvertidas noutros produtos derivados da cortiça. Maria José Leote explicou à FOLHA DO DOMINGO que, após a divulgação da campanha feita pelo CNE, o agrupamento de Albufeira acolheu-a de forma particular por se identificar com o seu ideal para este ano. “O CNE tem sempre como objectivo contribuir para um melhor ambiente, mas neste ano escutista o Agrupamento 714 quis evidenciar esse objectivo de forma a propô-lo como uma prioridade central”, justificou a chefe do agrupamento de Albufeira. Após a apresentação do projecto aos elementos das quatro secções, em Janeiro deste ano, iniciou-se o concurso de criação de um logótipo e de um lema específicos para a participação do agrupamento. ‘Rolha reciclada, árvore poupada’ foi a frase escolhida e o Super Rolhinhas, boneco com o corpo feito de rolhas de cortiça e um lenço escuta ao pescoço com as cores das quatro secções, foi a mascote criada que ilustrou igualmente o logótipo concebido. Em Abril foram colocados os receptáculos nos restaurantes aderentes, feitos a partir de umas latas existentes no mercado, decoradas depois com o logótipo e o lema do agrupamento de Albufeira, e a recolha terminou apenas na semana passada. Maria José Leote explica que o agrupamento de Albufeira se dedicou com muita abnegação à campanha, envolvendo não só os associados, mas também os seus familiares, o que permitiu que tivessem atingido um volume tão grande de material recolhido, sendo o agrupamento do CNE que mais rolhas recolheu no país. “Guardámos as rolhas na nossa sede, mas chegou a um ponto em que o edifício já não tinha espaço e quase não conseguíamos entrar. Começámos então a armazená-las em garagens particulares”, relata. No Algarve, o agrupamento de Albufeira foi o único do CNE a participar, embora Maria José Leote admita que os outros agrupamentos possam ter colaborado na divulgação da campanha ou a título particular, sem mobilizar a sociedade civil. A participação da Quercus na campanha passa pela plantação das espécies autóctones nas zonas do país que mais sofreram com a devastação dos incêndios e em parques escutistas, o que já aconteceu. A colaboração dos hipermercados Continente, como local de depósito, permitiu constituir uma rede a nível nacional próxima dos aderentes para entrega das rolhas recolhidas.

Verifique também

Algarve acolhe segunda “Pequena Fraternidade Provisória” de Taizé

O Algarve está a acolher, desde o passado dia 30 de agosto, a segunda “Pequena …