Inicio / Noticias / Os desafios de hoje, da paróquia de S. Miguel Arcanjo

Os desafios de hoje, da paróquia de S. Miguel Arcanjo

Está situada no coração da ilha de Santiago, sendo constituída por um povo simples, pobre e humilde. Faz parte integrante do Concelho de S. Miguel, o mais novo de Cabo Verde, também conhecido por Calheta de S. Miguel, visto estar situado à beira mar. Um Concelho com 17 mil pessoas, sendo a sua população muito dispersa devido às várias montanhas aí existentes, o que acarreta enormes dificuldades para a visita de todas estas comunidades locais. Tradição dos Missionários do Espírito Santo Uma Paróquia que teve e continua a ter uma forte tradição missionária e Espiritana. Desde os anos 45 que tem tido uma presença Espiritana. Basta lembrar, com saudade, o nosso Pe. Eduardo Moniz, natural da ilha dos Açores e o Pe. Cretazz, natural da Suíça, que foram os dois grandes alicerces desta Igreja local. Foram estes dois Espiritanos que deram estrutura e solidez a esta Paróquia. Presença esse que continuou depois com um conjunto sucessivo de Párocos todos eles da Congregação do Espírito Santo. Actualmente somos uma equipa de 4 confrades. O Pároco, Pe. António Luís Marques de Sousa natural da Guarda, o Pe. Nuno Miguel da Silva Rodrigues, natural de Leiria, o Pe. Crisógono Amanze, natural da Nigéria e o seminarista estagiário João Paulo natural de Braga. Um Povo Religioso Uma das características bem visíveis deste povo é a sua religiosidade. Desde longa data que esta gente se diz cristã, embora, muitas vezes, a prática religiosa não seja coincidente com o nº de baptizados. Quantas lições temos recebido das gentes mais velhas, uma fé sacrificada, uma vivência cristã que exige esforço e luta. Basta dizer que muitas pessoas para virem à Missa dominical necessitam de andar a pé uma ou mais horas, descendo montanhas e ultrapassando precipícios. Um Povo Solidário Uma solidariedade efectiva partilhada na pobreza. Apesar da pobreza e as dificuldades económicas serem muitas, esta gente partilha connosco o que tem e o que cultiva nas suas hortas. Nos ofertórios das Missas ou na visita aos doentes, lá aparece um saco de ovos, de batata doce, umas bananas, uma papaia. É o princípio de que só o pobre partilha desprendidamente. Lembro aqui, com saudade, a Mãe do nosso Pe. Teodoro, Espiritano a trabalhar na Amazónia, que todos os domingos nos presenteava com os seus dons. Depois da sua morte é que sentimos a sua falta e começamos a dar mais valor à sua grande lição de partilha solidária com os missionários. Mesmo agora na construção do nosso Projecto, o povo não podendo dar dinheiro, já manifestou a sai inteira disponibilidade em dar a sua ajuda em mão de obra, estando disponível com a força do trabalho e do suor do rosto. Um Povo Lutador Uma outra lição que continuamente recebemos deste povo é a sua capacidade de trabalho e de luta pela sobrevivência. Um País que tem o seu grande problema na falta de água e de chuva (chove apenas 2 a 3 vezes por ano), com grandes períodos de seca, leva este povo a lutar com todos os meios ao seu alcance, para ter o essencial para viver, através do cultivo de pequenas hortas, criação de animais, apanha de areia e brita para a construção. Todas estas agruras da vida, leva muitos Cabo-Verdianos a emigrar. Diz-se que 2/3 da população está emigrada. O Desafio da Família Um dos grandes desafios que nos é colocado é a questão da Família. Aqui as Famílias são numerosas e com grande instabilidade nas suas múltiplas relações. Muitos pais separados, muitas mães solteiras, inúmeros filhos fora do ambiente dos pais, muita falta de ambiente familiar estável e responsável. É-nos exigido, a nós Igreja, um forte acompanhamento neste sector, nomeadamente na formação e educação dos adolescentes e jovens através de uma educação integral. O Desafio dos Jovens O grande número de jovens e a consequente integração destes na Sociedade e na Igreja, exige a criação de estruturas e movimentos que possibilitem aos jovens a ocupação do seu tempo e a formação das suas vidas. Com a grande falta de emprego, com as múltiplas influências da Europa, os jovens, cada vez mais, necessitam de estruturas que ajudem à sua integração e formação. É necessário, da parte da Igreja, uma atenção especial aos jovens em vista do futuro. O Desafio da Nova Evangelização Um outro desafio que se faz sentir à a re-evangelização dos vários sectores da Igreja. É urgente uma aposta clara na formação dos catequistas, dos responsáveis de comunidades, dos lideres de movimentos… enfim em todos os cristãos. Cabo Verde que já foi evangelizada necessita, cada vez mais, de um novo dinamismo missionário que só será possível com a colaboração de todos: Diocese, Clero local, Padres Missionários, leigos empenhados e voluntários missionários. Existe um grande espaço aberto a estes vários carismas missionários. O Desafio da Educação Um outro desafio grande que nós Paróquia de S. Miguel enfrentamos é o mundo da Educação. Temos à responsabilidade da Paróquia a única Escola Secundária do Concelho – A Escola Secundária Padre Moniz fundada pelo Espiritano, Pe. Moniz, já lá vai o ano 1977, prestes a celebrarmos os seus 25 anos de fundação. Uma Escola que funciona com cerca de mil alunos do 7º ao 10º anos. Procuramos pautar o nosso trabalho por uma conduta cristã assente numa educação integral dos adolescentes e jovens. Grandes dificuldades são sentidas: falta de espaços físicos concretamente de salas de aulas para podermos albergar todos os alunos do Concelho. É triste sentirmos que todos os anos ficam alunos de fora por causa de todos estes constrangimentos. O Sonho de um Projecto É por tudo isto que nos estamos a empenhar na realização de um Projecto de construção de um Centro Paroquial e da Residência para assim podermos ter estruturas físicas que nos permitam o desenvolvimento de um trabalho de evangelização nos vários sectores da nossa Pastoral.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …