A Eucaristia, presidida pelo pároco, o padre Mário de Sousa, foi participada por uma igreja repleta não só de paroquianos como de escuteiros vindos de outros agrupamentos do Algarve e de Lisboa. Concelebraram o assistente regional, padre Domingos Fernandes, e o assistente do agrupamento de São Pedro de Faro, padre Manuel Rodrigues, assim como o assistente regional adjunto, o diácono António de Freitas. Na homilia, o pároco recordou que um agrupamento do CNE é, em primeiro lugar, uma comunidade de discípulos de Jesus, que concretiza os valores do Evangelho na relação com Deus, com os outros e com a natureza, seguindo a metodologia de Baden Powel. Por isso, e à luz da palavra de Deus escutada, desafiou os escuteiros presentes a concretizarem o convite de Jesus no evangelho do dia, ou seja, a levar ao mundo de César, os valores do Reino de Deus. “Vivemos no mundo de César, mas somos cidadãos do Céu; somos chamados a viver de tal forma a nossa fé que, pela nossa própria vida, somos missionados a trazer ao mundo de César o mundo e os critérios de Deus”, afirmou. Depois da homilia seguiu-se a bênção da bandeira e a promessa do chefe de agrupamento, Jorge Cruz, assim como a promessa de dois novos dirigentes. Depois da eucaristia, seguiu-se um jantar partilhado na Escola EB 2.3 Dr. Joaquim Magalhães, que se tornou pequena para tantes participantes. O sonho de um agrupamento do CNE na paróquia da Sé era algo que o Conselho Pastoral da paróquia acalentava há já três anos. O ano passado, quando um grupo de casais visitou o padre Mário em Roma, este fez-lhes o desafio da concretização deste desejo. “Desta forma, o Agrupamento 1324 nasceu junto ao túmulo dos Apóstolos Pedro e Paulo, pelo que o facto de ser fundado em pleno Ano Paulino é uma graça”, consideram os responsáveis pelo Agrupamento. Pelo mesmo facto, por ter sido um desejo apresentado junto ao túmulo de João Paulo II, o falecido Papa foi escolhido para patrono do agrupamento, cujas actividades, apadrinhadas pelo Agrupamento de São Pedro de Faro, começaram em Outubro do ano passado. Ao longo do último ano o Agrupamento foi crescendo e neste momento conta com 10 chefes (6 dirigentes e 4 candidatos) e 72 membros. Embora hajam muito mais crianças e jovens a quererem ingressar, foi necessário fechar as inscrições, quer pelo número ainda reduzido de dirigentes, quer pela exiguidade da sede, que funciona, por enquanto, numa casa cedida por uma família da paróquia. Uma das dificuldades paroquiais é, precisamente, a falta de espaços. Por isso, a Sé adquiriu uma casa para Centro Pastoral onde decorrem, neste momento, obras de adaptação. No entanto, devido ao volume de grupos e acções paroquiais, esta casa já não comporta o funcionamento de um Agrupamento, pelo que a sede do 1324 funcionará na casa do pároco, depois das devidas obras de conservação, reparação e restauro. Mais fotos, brevemente na Galeria de Imagens