Em declarações à Agência Lusa, Adriano Pimpão, responsável pelo Banco Alimentar contra a Fome (BAF) no Algarve, explicou que o protocolo que vai ser assinado com a Direcção Regional de Educação do Algarve "vem institucionalizar uma prática que já existia com as escolas". "Há escolas que já faziam recolha de comida, como por exemplo a Escola Secundária Tomás Cabreira", assegurou a mesma fonte. "Dinamizar o espírito cívico e de solidariedade dos alunos e professores para participarem nas campanhas de recolha de alimentos", bem como "angariar mais voluntários para as campanhas" são os dois grandes objectivos do protocolo entre as escolas e a organização não-governamental. O Banco Alimentar contra a Fome pretende combater o desperdício dos bens alimentares que existem nas sociedades actuais e redireccioná-los para as famílias carenciadas. O protocolo foi subscrito por 32 escolas do Algarve e a cerimónia teve lugar no Auditório da Direcção Regional de Educação do Algarve.