Abertura_porta_santa_santuario_mae_soberana (9)
Foto © Samuel Mendonça

Depois da Sé de Faro, da Sé de Silves e das igrejas matriz de Portimão e de Santa Maria de Tavira no passado mês de dezembro, o bispo do Algarve procedeu no primeiro dia deste ano à abertura da Porta Santa da última das cinco igrejas jubilares algarvias.

Na sexta-feira, D. Manuel Quintas abriu a Porta Santa do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, em Loulé, popularmente evocada como Mãe Soberana.

“Aqui neste santuário privilegiamos a porta da capela que tem sido centro de tantas peregrinações ao longo de séculos porque, normalmente, está aberta mesmo quando esta [da igreja] está fechada”, justificou o prelado, explicando ter-se pretendido que todo o santuário – tanto a igreja mais recente, como a antiga ermida – fosse “igreja” jubilar.

No Algarve, a celebração do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, proclamado pelo papa, de 8 de dezembro do ano passado a 20 de novembro deste ano, está associada a dois sacramentos: o batismo e a reconciliação. Relativamente ao primeiro pretende-se a sua redescoberta através da valorização do batistério, cuja porta, nas igrejas jubilares, é a Porta da Misericórdia, exceto no Santuário da Mãe Soberana por não se tratar de uma igreja paroquial. Relativamente ao sacramento da reconciliação é proposta a recuperação ou criação de um “espaço digno e acolhedor” e a criação de um dia para adoração eucarística e celebração do sacramento.

Na eucaristia do passado dia 1 justificou-se essa associação, com o bispo do Algarve a destacar o objetivo do Ano Santo. “Celebrar o Ano Jubilar é abrirmo-nos à misericórdia de Deus e depois partilhar essa misericórdia; deixar-se amar e perdoar por Deus para perdoar aos outros; crescer neste caminho do amor e do perdão, acolhido e partilhado. É este o objetivo”, afirmou D. Manuel Quintas, lembrando que o mesmo passa também por “redescobrir o próprio batismo” e que “unido ao batismo está o sacramento da reconciliação e a eucaristia, fonte da vida cristã, da vida da Igreja”.

O bispo diocesano salientou ainda que “a oração com o papa e o anúncio e testemunho do evangelho no mundo, particularmente através das obras de misericórdia corporais e espirituais”, são também sinais deste Ano Jubilar.

Tal como nas restantes igrejas jubilares, o rito de abertura da Porta Santa teve início com a bênção da água que foi aspergida sobre a assembleia e foi levada, no final da missa, para as paróquias que constituem a vigararia de Loulé. Por não ter batistério, foi construído no santuário um espaço de evocação do batismo, no qual foi depositada a água benta.

A eucaristia contou com a presença da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima na conclusão da sua visita à Diocese do Algarve.

programa de celebração no Algarve do Jubileu da Misericórdia inclui ainda diversas iniciativas.

no images were found