D. Manuel Quintas exorta a diocese algarvia a “aproveitar, também este ano, desta iniciativa para aprofundar e fortalecer a relação de proximidade e de comunhão” entre as comunidades paroquiais do Algarve e o Seminário diocesano, concretamente com a equipa formadora e com os seminaristas e pré-seminaristas. “Constitui, igualmente, uma oportunidade para que todos os agentes de pastoral – padres, diáconos, catequistas, pais, educadores a todos os níveis, movimentos, institutos de vida consagrada, paróquias – continuem a privilegiar, sem desânimo, a pastoral vocacional, como uma das prioridades do nosso programa diocesano de pastoral”, aproveita o Bispo diocesano para lembrar no documento. D. Manuel Quintas sublinha que “a vocação ao sacerdócio ministerial, dom do Pai, nasce, desenvolve-se e fortalece-se graças à oração da Igreja, em resposta ao apelo de Cristo: «Rogai ao Senhor da messe que envie trabalhadores para a Sua messe»” e que “a oração, e de modo particular a adoração eucarística, constitui o meio e o modo privilegiado de invocar esse «dom do Pai», do seu discernimento e do seu fortalecimento”. “Apraz-me registar o aumento do número de comunidades paroquiais, que já assumiram um tempo semanal de adoração eucarística vocacional. Exorto outras a fazê-lo, mesmo com uma periodicidade quinzenal ou mensal, certo do contributo desta opção pastoral, para sensibilizar toda a Paróquia para a realidade das vocações, para a importância da missão do Seminário na Diocese, bem como para promover o sentido e a riqueza da dimensão ministerial da Igreja, vivida nas nossas comunidades”, refere ainda o Prelado, certo de que “em toda a pessoa há um dom de Deus à espera de ser descoberto” e de que “Deus continua a chamar das formas mais diversas”. Essa certeza, explica D. Manuel Quintas, deve levar a “semear com generosidade”, “sem regatear a semente, e com esperança – certeza de que Deus não deixa sem resposta uma comunidade reunida, para invocar esse dom, e empenhada no seu crescimento e na sua fidelidade”. “As recentes ordenações diaconais e presbiterais na nossa Diocese, bem como aquelas que se aproximam, o grupo dos nossos seminaristas em Faro e em Évora, confirmam esta certeza de Deus”, complementa o Bispo diocesano, recordando que “só quem semeia «com generosidade e confiança» é que pode recolher «com abundância e alegria»”.