Quinta-feira 25 de Abril de 2019
Inicio / Noticias / 104 crianças algarvias participaram em Fátima na reflexão sobre a importância da vida

104 crianças algarvias participaram em Fátima na reflexão sobre a importância da vida

Segundo a irmã Maria José Sousa, responsável do Sector Diocesano da Catequese da Infância (SDCIA) e Adolescência, a participação do Algarve nesta Peregrinação Nacional não foi muito significativa, pois «o SDCIA, em ano de Peregrinação Diocesana do Algarve a Fátima (como aconteceu este ano), procura não incentivar muito à Peregrinação Nacional, para não desmotivar à participação na acção da diocese». As cerimónias religiosas decorreram no Recinto em um altar levantado na zona entre a estátua do Sagrado Coração de Jesus e o altar do Recinto. Um cartaz gigante, com a representação de Jesus Cristo, foi colocado no altar do Recinto. Outros dois foram pendurados no exterior das colunatas norte e sul, para contextualizar o tema da peregrinação, “Não matarás – A vida é dom do Senhor”. Participaram na missa 45 militares das academias dos três ramos das forças armadas e de segurança (Escola Naval, Academia Militar e Academia da Força Área). No final da celebração, no tão aguardado momento da “Surpresa”, seis paraquedistas realizaram um salto, para grande alegria dos pequenos e dos adultos, aterrando em pleno Recinto de Oração. Cada paraquedista, após a aterragem, foi recebido com uma salva de palmas, ao som dos cânticos “O Senhor é bom” e “Não matarás”. Sempre com o propósito de sensibilizar para o dom de Deus que é a vida, e para a importância da sua defesa, vários organismos e entidades foram representados nas cerimónias. Numa grande cruz de madeira colocada entre o altar e a escadaria da Basílica, no momento da oração dos fiéis, vários membros de instituições empenhadas na vida, nas mais diversas áreas, dependuraram, nos braços da cruz, faixas com os símbolos e os nomes de algumas instituições que têm a defesa e promoção da vida como objectivo principal, nomeadamente: Centro de Apoio a Deficientes Profundos João Paulo II, Associação “Mãos Unidas”, Associação de Defesa e Apoio da Vida, Casa de Protecção e Amparo de Santo António, Centro de Recuperação Infantil de Fátima, Cooperativas de Ensino e Reabilitação de Crianças Inadaptadas, Unicef, Visitadores dos estabelecimentos Prisionais, Leigos para o Desenvolvimento, Sociedade de S. Vicente de Paulo, Cáritas, Cruz Vermelha, Bombeiros Voluntários, Corpo Nacional de Escutas. Durante anos ligado à Comissão de Organização da Peregrinação das Crianças, D. Anacleto de Oliveira, Bispo-auxiliar de Lisboa, presidiu este ano às cerimónias, concelebradas por D. Serafim Ferreira e Silva, Bispo da Diocese de Leiria-Fátima. No momento da homilia, o Bispo auxiliar do Patriarcado de Lisboa convidou um grupo de crianças a subir até junto dele, no altar, e, convidando-os a apresentarem-se a todos os participantes, explicou a todos a importância de dar graças a Deus pelo dom da vida. Sempre com ajuda das crianças, num discurso espontâneo e dirigido essencialmente aos mais novos, o prelado sensibilizou para o facto de que “a vida é um dom do Senhor” e pediu para que se rezasse por todas as pessoas que deram a vida pelos outros, à semelhança do que fez Jesus Cristo. No final foi oferecida a cada criança, como recordação da vinda a Fátima, uma cruz em madeira dentro de um pequeno saco. A cruz tinha gravado o tema da peregrinação deste ano. Todo o acompanhamento musical das cerimónias coube à Schola Cantorum os Pastorinhos de Fátima, coro infantil do Santuário de Fátima. Também o momento da Liturgia da Palavra foi feito por crianças. Noite de sensibilização para a vida No âmbito do programa da Peregrinação das Crianças, a recitação do Rosário, na Capelinha, foi, na noite de sábado, realizada de forma diferente do habitual. Durante a oração, em cada mistério, em dois ecrãs gigantes montados dos lados direito e esquerdo, por detrás da Capelinha, foram projectadas imagens de atentados à vida, situações e acontecimentos pelos quais as crianças rezaram pelo seu fim, nomeadamente: as discussões e os maus-tratos, pelos acidentes de viação, a toxicodependência, a guerra e a fome. O objectivo foi apresentar às crianças a morte e a violência, em contraste com a oferta que Deus faz, para dar vida, e apresentar Nossa Senhora que oferece a vida em Jesus. As crianças foram sensibilizadas para o facto de que rezar é já fazer algo em favor da vida.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …