Oito homens e 19 mulheres que, na Vigília Pascal, irão celebrar o Baptismo, o Crisma e a Eucaristia e que para isso foram escolhidos pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, depois de propostos pelas respectivas comunidades paroquiais. Com a média etária de vinte e seis anos, vieram de todas as vigararias da diocese do Algarve. Cinco da vigararia de Tavira, sendo quatro da paróquia de Santiago e uma da paróquia de Santa Maria; dez da vigaria de Faro, sendo quatro da paróquia da Sé, dois de São Pedro, dois de Quelfes, um da Conceição de Faro e um de Olhão; seis da vigararia de Loulé, todos provenientes da paróquia de Quarteira e cinco da vigararia de Portimão, sendo três de Silves e dois da matriz de Portimão. Os homens, em menor número, tinham uma média etária de 29 anos, um pouco mais elevada do que a das mulheres que apresentavam a média etária de 25 anos. Apesar de estar aconselhada a realização no primeiro domingo da Quaresma, este encontro dos catecúmenos com o Bispo diocesano que teve lugar nos anexos do Seminário de São José, em Faro, não pôde realizar-se nessa data por ter sido o dia da tomada de posse do novo Bispo Auxiliar de Vila Real, na qual participou D. Manuel Quintas. Os adultos iniciaram uma nova fase do seu catecumenado – a purificação e iluminação, – deixando de ser catecúmenos para passar a ser eleitos ou seja escolhidos. A Igreja tem um percurso próprio para a iniciação cristã dos adultos que começa com um período de pré-catecumenado, com a manifestação do primeiro desejo de ser Baptizado. Segue-se o tempo de catecumenado, ligado de maneira particular à catequese, ao conhecimento da pessoa de Jesus, da Igreja e das verdades da fé cristã. Este tempo termina com o Rito de Eleição dos catecúmenos e a partir desse dia, a preocupação com os adultos já não é de ordem doutrinal, mas de ordem espiritual. São então convidados a uma caminhada de ordem interior, espiritual. Seguidamente à recepção dos sacramentos da iniciação cristã, com o Baptismo, a Confirmação e a Eucaristia, os neófitos iniciam um período de Mistagogia em que são inseridos na vida da Igreja. Dirigindo-se, no passado sábado, aos catecúmenos, o Bispo do Algarve começou por destacar o sentido do mesmo. “A razão deste encontro é porque é importante que os adultos que se baptizam tenham pelo menos um encontro com o Bispo”, afirmou, sublinhando o valor da ligação da pessoa do Bispo àquele que se baptiza, “porque o Bispo representa toda a diocese”. “Representa esta família na qual vós vos ides inserir a partir do Sacramento do Baptismo”, complementou, considerando que, “de alguma maneira, os catecúmenos já fazem parte desta família, porque já estão dentro da Igreja a caminhar”. D. Manuel Quintas lembrou, a propósito, que “os baptizados na Igreja não têm só deveres, também têm direitos”. Direito por exemplo, a que a Igreja os “ajude a ser cristãos, lhes distribua a Palavra de Deus, a Eucaristia ou o perdão”, concretizou. Aos catecúmenos, D. Manuel Quintas falou ainda sobre o tempo da Quaresma e da iniciação de adultos. Mais tarde, na Sé Catedral, acompanhados pelos seus padrinhos, garantes nesta sua caminhada de fé, os candidatos depois de apresentados pelo diácono Luís Galante, delegado diocesano do Catecumenado, aproximaram-se do Bispo diocesano. Após terem sido interrogados, padrinhos e candidatos, os segundos inscreveram em livro próprio o seu nome, gesto que confirma a sua vontade em receber os sacramentos da iniciação cristã. Os eleitos irão durante os próximos domingos da Quaresma irão agora celebrar nas suas paróquias os escrutínios e a tradição do Credo e do Pai-Nosso e na Vigília Pascal, Mãe de todas as vigílias, completarão a sua iniciação sacramental.