E este fenómeno não diz respeito apenas às grandes cidades como também, infelizmente, às zonas menos populares e de cariz rural. De facto, temos assistido, nestas últimas décadas, às mais variadas formas e crimes perpetrados uns com requintes de perversidade, outros com a mais cruel e calculada violência. Alguns destes crimes parecem, à primeira vista, sem qualquer sentido ou finalidade a não ser a de espalhar a intranquilidade e o medo. Realmente, a preocupação com o crime tornou-se, hoje, por todo o mundo, generalizado porque devido ao fenómeno da globalização não há lugar completamente seguro e livre, mormente no que diz respeito ao crime do terrorismo… São muitas e variadas as causas que os especialistas apontam para esta triste realidade entre as quais sobressaem: mudança de padrões de cultura e de valores morais, o ambiente social e, em alguns casos, determinado fundamentalismo religioso que fomenta o terrorismo… O défice de verdadeiros educadores, pois, como sabemos, as nossas escolas proporcionam instrução, mas estão muito aquém no que respeita a educar. Esta, como sabemos, pressupõe sempre o afecto e o amor. Como dizia o grande poeta e professor Sebastião da Gama: “educar é um acto de amor…”. Este poeta e professor estava convicto de, que o maior mal do mundo é, precisamente, viver e não amar… Acresce também que em tantas e tantas famílias não existe aquele ambiente de afectividade tão importante na formação da vida e do carácter das crianças e jovens, e o pior ainda é, sem dúvida, a desestruturação das famílias, a que actualmente estamos a assistir. E para concluir não podemos deixar de referir o que muitos psicólogos e sociólogos defendem ao afirmar que muitos crimes e violências poderiam ser evitados se, a seu devido tempo, tivessem sido inculcados no espírito e no coração das pessoas verdadeiros ideais nobres e o sentido de Deus…