Referindo-se às análises alarmistas apresentadas em torno da crise mundial, o sacerdote deixou uma mensagem de incentivo. “Estimulemo-nos porque desde que o homem se conhece que está em crise. Não se deixem amedrontar pela mensagem do desânimo”, apelou. “E as outras crises não foram resolvidas? Então não houve a escravatura? Nós não somos filhos da escravatura? Aquelas ilhas caboverdianas, que a natureza muitas vezes não ajuda, não renasceram das cinzas e não estão espalhados pelo mundo? Os caboverdianos que foram massacrados em São Tomé e nós, que somos os seus filhos, não estamos aqui?”, interpelou o padre César Chantre, reportando-se aos sofrimentos vividos pelos caboverdianos em São Tomé e Príncipe no final década de 50, princípios de 60. “Temos de passar aos jovens esta história para eles saberem que para terem a liberdade que têm hoje muita gente suou sangue. E mesmo assim a liberdade ainda está muito condicionada por aqueles que mais podem”, complementou o padre César Chantre, também ele natural de Cabo Verde. Recordando o mandamento novo que Jesus deixou – “Amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei” – interrogou: “que fizemos nós desta mensagem?”. “Estupidamente lutamos uns contra os outros. Estupidamente fizemos escravos uns em relação a outros. Estupidamente subvertemos toda a ordem da criação. Utilizámos o nome de Deus para submeter e subverter os outros. Somos irmãos uns dos outros, mas, como queremos ser deuses uns dos outros, matamo-nos uns aos outros”, lamentou. O sacerdote lembrou ainda que a festa de São José, operário, foi instituída pela Igreja. “Em 1955 o Papa Pio XII cristianizou o 1º de Maio e hoje é uma festa eminentemente popular”, constatou. Principal impulsionador do encontro, promovido em colaboração pelo Consulado de Cabo Verde no Algarve, o padre Carlos César Chantre deixou-se mesmo contagiar pelos ritmos quentes que abrilhantaram a celebração da Eucaristia, onde não faltam os batuques, o ofertório dançado, e as mornas e coladeiras, interpretadas por Titina, uma das vozes mais emblemáticas de Cabo Verde, também uma presença já habitual nesta iniciativa. Após a Eucaristia, seguiu-se o almoço convívio com tarde recreativa. Mais fotos na Galeria de Imagens