Na conferência de imprensa de apresentação pública, introduzida por Francisco Paulino, que contou com a presença de Luís Villas-Boas, mandatário do ‘Algarve pela Vida’, Isilda Pegado, presidente da Fede-ração Portuguesa pela Vida (FPV), Helena Boavida, médica de família e de Miguel Reis Cunha, membro da Comissão Executiva do movimento, foram defendidas as razões pelas quais os algarvios devem votar ‘não’ no próximo dia 11 de Fevereiro. Miguel Reis Cunha começou por lembrar a origem do grupo cívico que se reuniu de "forma muito espontânea" e que continua a crescer também dessa forma. O advogado Reis Cunha explicou que das 9 mil assinaturas recolhidas, apenas as entregues na CNE estavam em condições de integrarem a petição. A mandatária Helena Boavida, depois de explicar que, com 10 semanas de gestação, o bebé já tem praticamente todos os órgãos vitais a funcionar, testemunhou a existência, ao longo dos últimos anos, de uma rede de apoio às mulheres grávidas em dificuldade. "Fomos apoiando centenas de mulheres ao longo destes anos", garantiu, acrescentando que, "neste momento pensa-se que este projecto possa ampliar-se a todo o Algarve". A médica familiar lembrou ainda que "em Portugal, o aborto está já despenalizado em situações de risco de Vida física ou psíquica ou de violação da mãe e de má formação do bebé", todas elas em muito mais de 10 semanas. O grupo cívico ‘Algarve pela Vida’ é constituído por um conjunto de pessoas transversal à própria sociedade algarvia. Para além das personalidades já referidas, fazem ainda parte do grupo de trabalho, professores, advogados, médicos, engenheiros, entre outros. Também dentro do espectro político encontram-se militantes do CDS-PP ao PS, bem como outros sem conotação com qualquer núcleo partidário. No contexto religioso, encontramos católicos e evangélicos. Sexta-feira, dia 19, à noite o grupo reúne amigos e simpatizantes num jantar de angariação de fundos que terá lugar pelas 20 horas no Hotel Eva, em Faro. O valor da refeição é de 20 euros para adultos e de 10 euros para crianças a partir dos 3 anos de idade.