No domingo, tal como no dia da ordenação, a Igreja do Algarve esteve em festa, particularmente a paróquia de Monte Gordo, localidade de onde é natural o novo presbítero algarvio. A Eucaristia, presidida pelo novo sacerdote, foi concelebrada por um numeroso grupo de outros padres da diocese do Algarve e das vizinhas dioceses de Beja e Évora, entre os quais o padre Pedro Manuel, ordenado conjuntamente com o presidente da celebração. Na sua homilia que leu, o padre Flávio Martins começou por constatar a interpelação da Palavra de Deus ao ministério que lhe foi confiado. “O meu coração, como no primeiro dia da ordenação, deve ser totalmente de Deus, sem empecilhos em toda a minha integridade. O centro da minha vida deve ser Deus. Se Ele ocupa toda a existência somente isso me basta”, observou. Aos fiéis presentes, que se deslocaram de várias partes do Algarve, o padre Flávio Martins pediu o apoio da oração. “Peço-vos que rezeis por mim e por todos aqueles que se entregaram um dia ao Senhor. Para que, na totalidade do nosso ser, pelo amor de Deus e não pelo amor às coisas deste mundo, ao longo do nosso ministério, o possamos servir, porque o verdadeiro bem é o Senhor e a riqueza é a eternidade”, solicitou. Procurando projectar o exercício do seu ministério em relação ao futuro, o jovem sacerdote apontou alguns aspectos que pretende valorizar, sublinhando a importância de reforçar a amizade criada com Deus, “na intimidade permitida entre dois amigos”, através da oração. “Administrar os mistérios de Deus segundo o seu critério e não segundo critérios humanos” foi outro dos propósitos afirmados pelo padre Flávio Martins que manifestou ser a sua “linha de orientação”, a “configuração com o mistério da cruz de Cristo”, tal como lhe foi pedido no dia da ordenação. Também na Eucaristia, a qual lembrou constituir para o presbítero “a fonte da sua existência e o sentido do seu ministério”, o novo sacerdote encontrou o propósito do seu trabalho. O padre Flávio Martins acrescentou ainda que “ser ministro de Cristo é dispor de tempo para a reconciliação”. O recém-ordenado sacerdote destacou ainda a dimensão do serviço como uma das mais importantes no exercício do ministério sagrado. No final da celebração, que contou ainda com a presença de alguns diáconos algarvios e não só, incluindo o diácono Miguel Neto, ordenado no mesmo dia dos dois mais novos padres do Algarve, o padre Flávio Martins renovou o agradecimento aos seus formadores e à sua comunidade paroquial. Após a Eucaristia, fizeram festa, com cânticos e danças, alguns membros do Caminho Neocatecumenal, no seio do qual o padre Flávio Martins iniciou a sua interpelação vocacional. Mais fotos na Galeria de Imagens