O entusiasmo da manhã revelado pelos algarvios, aliado ao dia de sol que sucedeu à chuva que na véspera recebeu a comitiva algarvia, deixava antever o significado do dia que se iria viver. Com início por volta das 10.30 horas (hora local – mais uma hora que em Portugal), a audiência geral do Papa foi então participada pelo grupo do Algarve, que se alegrou com o facto de Bento XVI ter permanecido em Roma, seguindo apenas para a visita à Terra Santa no dia 8 deste mês. Na audiência, o Papa centrou-se em São Damasceno, figura da teologia Bizantina, que deixou uma “promissora carreira para entrar na vida monástica”. São Damasceno está entre os primeiros que distinguem “a adoração, prestada a Cristo, da veneração, própria a uma imagem”, indicou Bento XVI. A madeira da cruz, o livro, o altar do sacrifício, “foram usados por Deus para nos falar de salvação. Servem como sinais e sacramentos do encontro com Deus. Quando participamos nos sacramentos, quando veneramos os ícones, se o fazemos com fé, tornamo-nos meios de graça”, afirmou. O Papa sublinhou que apesar dos pecados humanos, “Deus escolheu habitar nos homens e mulheres, tornando-os santos, partilhando a sua infinita bondade e santidade. Devemos abrir o nosso coração a essa alegria”. Na primeira audiência do mês dedicado a Maria, o Papa pediu aos jovens para seguirem o exemplo de Maria que “cumpriu a vontade de Deus”. Aos doentes indicou que a imagem de Maria “vos ajudará a perceber, com fé, o mistério da dor, acolhendo o valor salvífico expresso na cruz”. Bento XVI dirigiu-se ainda às populações da Jordânia, Israel e Palestina para os saudar e dizer que ansiosamente espera estar com eles e partilhar as suas aspirações e esperanças, assim como as suas lutas e dores. Os algarvios alegraram-se com a referência do Papa ao grupo de Portugal presente, assim como a indicação do grupo da vizinha diocese de Huelva (Espanha) que esteve presente sob a presidência do Bispo D. José Villaplana. “Queridos peregrinos de língua sede bem-vindos! Que esta peregrinação aos túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo fortaleça nos vossos corações o sentido de viver em Igreja sob o terno olhar da Virgem Mãe. Com Ela aprendei a ler os sinais de Deus na história da vossa vida. A minha bênção para vós e para as vossas famílias”, afirmou Bento XVI. Após o almoço, os algarvios visitaram a Basílica de São João de Latrão., construída no ano de 320, a Escada Santa de Sancta Sanctiorio, onde quer a tradição que ali esteja presente uma relíquia da escada que serviu na crucifixão de Cristo e a Basílica de São Paulo, cuja construção terá sido iniciada no ano de 324, tendo as diversas intervenções terminado em 1825. Momento de particular significado constituiu a presença dos algarvios junto ao túmulo do apóstolo Paulo onde se detiveram em oração por breves instantes. Também na capela de Santo Estêvão daquela basílica foi celebrada por volta das 17.20 horas, a Eucaristia presidida pelo vigário geral, com a colaboração do diácono Manuel Chula. Na homilia, o padre Firmino Ferro, fez questão de explicar que Paulo, antes da sua conversão, perseguia apenas os cristãos de origem helénica que se haviam separado do Judaísmo. “São Paulo passou de perseguidor a evangelizador”, sublinhou. O representante do Bispo do Algarve explicou que a escolha de 2009 para a celebração do bimilenário do Nascimento de São Paulo teve a ver com o facto de se suspeitar que o apóstolo possa ter nascido entre o ano 8 e 10. Tal como no primeiro dia, já no hotel foi comemorado o aniversário de mais um peregrino, desta vez José Lourenço que completou 62 anos. Veja as fotos da Peregrinação Diocesana a Roma na Galeria de Imagens