Na celebração eucarística que decorreu, por vontade do próprio, num ambiente de intimidade em pleno Seminário diocesano em Faro, na capela pequena do edifício, o Bispo do Algarve, que presidiu à celebração, desejou que aquele acontecimento pudesse ser significativo para os restantes seminaristas presentes, para escutarem “com maior disponibilidade o apelo de Deus” e para encontrarem “o encorajamento para responder a esse apelo”. D. Manuel Quintas explicou que aquele rito significa para o próprio admitido e para a Igreja que ambos reconhecem a autenticidade do caminho vocacional percorrido. Ao António de Freitas desejou “que encontre um novo estímulo para continuar esse caminho com maior consciência pessoal e com maior intimidade com Àquele com o qual se quer identificar de maneira mais plena”.