Quis teu bendito Filho dar–nos a graça de, pela vez primeira, nas décadas de 40 e de 50 do século XX e neste nosso tempo, te recebermos como Mãe do Filho do Homem e Nossa Mãe, nessa comunhão imperecível que o Mistério Redentor da Cru; fez acontecer no maior acontecimento histórico de sempre. As «Rosas de Santa Maria» estão na humildade crente das nossas orações e no propósito desejado de uma Fé Viva, aos teus pés, como o nosso amor está no teu coração e na reciprocidade acontecida em cada instante, desde esse momento que fez a maior revolução de amor do Mundo: o «Sim» de Nazaré. Peregrinar contigo nos caminhos da terra algarvia, mesmo quando não presentes fisicamente, é percorrer os caminhos do Senhor e sermos testemunhos autênticos daquele maternal conselho que, um dia, nos legaste para sempre: «Fazei tudo o que Ele vos disser!». Salvé Rainha da Paz, Estrela da Alva, Consoladora dos Aflitos, Mãe dos Homens! Nesta hora, que Deus quis ter a generosidade de o pudermos viver, ao assinalarmos o final ou a extensão das celebrações dos 90 anos em que apareceste em Fátima, aqui estamos para te acolher com a filial devoção e o espírito de te venerar como Sacrário primeiro de Cristo entre os homens!