O objectivo do encontro de D. Manuel Neto Quintas com o Prelado daquela Igreja católica de rito bizantino, responsável pelas comunidades ucranianas em Portugal, foi fazer uma análise ao serviço pastoral que é prestado actualmente à comunidade ucraniana imigrante presente no Algarve. Segundo D. Vladimiro, «conhecer a realidade pastoral dos ucranianos católicos de Portugal» foi a recomendação que trouxe do Arcebispo-Mor de Leopolis, o Cardeal Lubomyr Husar. Na viagem para Kiev (capital da Ucrânia), onde participa de 5 a 12 de Outubro no Sínodo dos Bispos Ucranianos Católicos, o Cardeal Husar pediu ao Bispo Vladimiro que fizesse uma «visita rápida» às comunidades mais significativas de ucranianos presentes em território nacional com a finalidade de elaborar um relatório detalhado sobre a situação actual. D. Manuel Quintas refere que o encontro serviu para que se encontre a forma de melhor organizar e incrementar a assistência espiritual aos imigrantes ucranianos. Organização que passará também por aspectos práticos administrativos com a finalidade de «melhor servir a comunidade ucraniana no Algarve». Outro dos assuntos que esteve em cima da mesa foi a possibilidade de criação de uma estrutura para ir ao encontro da realidade existente. «Gostaríamos, por exemplo, que houvesse uma Comissão que fosse ao encontro dos imigrantes mais necessitados» – concretiza D. Manuel Quintas. De acordo com D. Vladimiro, «o número de sacerdotes [greco-católicos] em Portugal são absolutamente insuficientes» para dar resposta a toda a comunidade imigrante. Assim sendo, o relatório que irá entregar ao Cardeal Lubomyr Husar visará também contribuir para estudo do envio de mais sacerdotes para Portugal. Recorde-se que no Algarve encontra-se apenas um sacerdote para dar resposta a toda a diocese, o padre Nicola. Para além do sacerdote ucraniano no Algarve, o Prelado greco-católico chegou também acompanhado de mais dois padres daquela Igreja (um de Évora e outro de Lisboa), bem como do responsável do Sector das Migrações e Minorias Étnicas da diocese algarvia, o padre Júlio Tropa Mendes. Foram ainda visitadas, nesta passagem po Portugal, as comunidades de Lisboa, Fátima, Évora, Torrão e Viseu.