Participada por uma multidão de fiéis de quase todas as paróquias do concelho de Faro, sacerdotes, diáconos, religiosos, seminaristas, associações, movimentos e obras, assim como pelas muitas crianças que realizaram naquele mesmo dia a sua primeira comunhão, algumas das quais foram igualmente baptizadas, a procissão que se seguiu à tarde de adoração e à oração de vésperas na presença do Santíssimo Sacramento percorreu algumas das principais ruas da baixa da capital algarvia. Na chegada ao largo de São Pedro, que ficou repleto com a multidão, o Bispo do Algarve evidenciou o sentido da celebração daquela solenidade e exortou os cristãos a fazerem convergir para Jesus a sua “fé, louvor, canto, amor, esperança e confiança”. D. Manuel Quintas lembrou que aquela festividade conduz à Ceia Pascal anualmente evocada em Quinta-feira Santa, na qual a Jesus celebrou a sua última Páscoa com os discípulos e instituiu a Eucaristia. “O nosso olhar de fé converge hoje agradecido para este sacramento de amor, no qual Cristo continua a dar-se totalmente a si mesmo como memorial permanente da sua Páscoa”, afirmou, salientando que “viver verdadeiramente a Eucaristia é mistério de fé, fonte de amor e de vida, alimento de vida eterna, «pão» partido para a vida do mundo, vida entregue ao serviço dos outros”. “Esta vida eterna começa em nós, já agora, através da mudança que o dom eucarístico gera na nossa vida”, complementou o Bispo diocesano, considerando que “esta novidade que a Eucaristia introduz na vida do cristão deve levá-lo a viver segundo o estilo de Jesus”. “A Eucaristia impele todo o que acredita a fazer-se «pão» repartido para os outros e consequentemente a empenhar-se por um mundo mais justo e fraterno. Ao adorarmos o corpo d’Aquele que é a nossa cabeça, enquanto membros da Igreja não podemos deixar de ser solidários com todos os seus membros, particularmente os que reclamam a nossa ajuda”, acrescentou D. Manuel Quintas. Por fim, o Bispo do Algarve exortou os algarvios a que cultivem “sempre mais o amor por Jesus, pela participação comunitária na Eucaristia dominical, pelo incremento na adoração eucarística nas comunidades e pela visita frequente ao Santíssimo Sacramento”. “Não há verdadeira renovação das nossas paróquias e da nossa Igreja diocesana sem Eucaristia”, advertiu o Prelado. A terminar, lembrou que, “intimamente ligado ao mistério da Eucaristia está o ministério ordenado dos diáconos, presbíteros e Bispos”. “Quero convidar-vos a meditar na grandeza deste ministério ordenado. É pelo sacerdote que nos é dado o dom da Eucaristia”, apelou o Bispo diocesano, pedindo uma “consciência renovada da importância da vocação do sacerdote na Igreja e do sentido extraordinário da sua missão no mundo de hoje”. D. Manuel Quintas apelou a uma maior implementação da oração pelos sacerdotes e seminaristas algarvios, “sempre que possível na presença de Jesus na Eucaristia” e lembrou que “sem sacerdotes não há Eucaristia”. Mais fotos, brevemente na Galeria de Imagens