Ao lado da igreja paroquial, o edifício setecentista agora totalmente recuperado e remodelado, constituído no rés-do-chão pelo Centro Pastoral e no primeiro andar pela Residência Paroquial, era a antiga casa do pároco e encontrava-se em avançado estado de degradação, na iminência de poder ruir. Depois de quase dois anos de obras, a intervenção, projectada pelo gabinete de arquitectura da Câmara Municipal de Silves, contemplou duas fases distintas. A construção do Centro Pastoral no Rés-do-chão que integra, para além do átrio, 3 salas de catequese, um salão polivalente, o cartório com sala de arquivo anexa, um bar, uma sala de arrumos, casas de banho, um quintal e no interior deste uma casa de banho para passantes que necessitem de cuidados de higiene; e a edificação da Residência Paroquial composta por 4 quartos, casa de banho, uma sala comum, cozinha, dispensa, um pátio exterior e um terraço. Conforme garantiu o pároco, o padre Augusto de Brito, «a obra que tinha um orçamento inicialmente previsto em cerca de 250 mil euros deverá custar 300 mil», pois houve alguns condicionalismos que encareceram o valor inicial. Um desses condicionalismos conta o padre Augusto de Brito «foi o facto de o IPPAR – Instituto Português do Património Arquitectónico, no parecer favorável que deu à realização da obra, não ter autorizado que fossem utilizadas retroescavadoras, obrigando a que os trabalhos de escavação tivessem de ser feitos à mão». Embora não tivesse sido requerido qualquer apoio ao Estado, a paróquia por «não conseguir suportar sozinha» os encargos de uma obra desta natureza precisou de contar com os apoios de outras entidades públicas e privadas. Assim, sublinha o pároco, «foi fundamental o apoio dos paroquianos e da população da freguesia em geral, bem como de empresas privadas». A Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de São Bartolomeu de Messines contribuiu até ao momento com 29 mil euros, a Câmara Municipal de Silves com 21 mil 223 euros e a Junta de Freguesia local com 17 mil 690 euros. O padre Augusto de Brito salienta ainda a importância do contributo dado pelos seus antigos colegas de trabalho da Portugal Telecom e as iniciativas organizadas na paróquia com o fim de contribuir para a obra do Centro Pastoral e Residência Paroquial. «No princípio conseguimos algum dinheiro com a realização de rifas e fizemos algumas peregrinações ao estrangeiro, em que as agências de viagem contribuíram com uma percentagem do seu lucro». Para além disto, os almoços/convívio organizados todos os meses «têm sido também uma boa ajuda», reconhece o sacerdote, afirmando que os encargos suportados pela paróquia, a diferença entre os apoios concedidos e o valor total da obra, deverá rondar os 100 a 125 mil euros. Em termos de apoios, refira-se ainda que a edilidade ofereceu ainda toda a mobília para as salas de catequese, devendo parte do restante mobiliário para o rés-do-chão ser adquirido pela paróquia e as restantes peças doadas por particulares. O primeiro andar não deverá ser para já mobilado, até porque, como esclareceu o padre Augusto de Brito, não servirá de imediato para residência do pároco. «Continuarei a residir na actual residência paroquial, também propriedade da paróquia, mas a nova residência paroquial ficará preparada para acolher um futuro pároco ou uma futura equipa paroquial», explicou. A cerimónia de inauguração da nova estrutura será integrada nas comemorações do Dia de João de Deus, natural daquela localidade e um dos expoentes máximos da poesia portuguesa. Assim, pelas 10.30 horas, o Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas presidirá à celebração da Eucaristia na igreja matriz, seguindo-se depois a bênção e inauguração do edifício com o descerramento de uma lápide que evocará a efeméride. Após a sessão solene que contará com as intervenções do Bispo do Algarve, da presidente da Câmara Municipal de Silves, Isabel Soares e do pároco, Augusto de Brito, seguir-se-á um almoço/convívio no salão dos Bombeiros Voluntários locais. Ainda à noite, da programação prevista, consta, pelas 21 horas, um concerto da Orquestra do Algarve na igreja matriz, oferecido pela Caixa de Crédito Agrícola Mútuo no âmbito da comemoração do seu aniversário.