Inicio / Noticias / Bispo do Algarve dedicou a nova igreja de Altura no passado sábado

Bispo do Algarve dedicou a nova igreja de Altura no passado sábado

A celebração começou com o cortejo litúrgico da Junta de Freguesia de Altura para a igreja paroquial. Já na nova igreja o Bispo do Algarve começou por benzer a água que de seguida iria servir para aspergir as paredes do novo templo, bem como os membros que da comunidade de Altura fazem parte. / Dirigindo-se aos fiéis presentes, D. Manuel Quintas começou por sublinhar «a alegria» vivida naquele dia. «Estamos muito felizes por termos um espaço novo, maior do que o que havia antes (o salão aqui ao lado) mas atenção: este espaço é bonito, é amplo, mas há algo mais bonito, mais amplo e melhor que somos nós. Nós é que somos a Igreja de Deus, essas pedras vivas», salientou o Prelado, acrescentando que todos os gestos e símbolos da celebração «é exactamente para recordar que esta casa de Deus, esta igreja, feita de pedras, é apenas um sinal visível exterior da Igreja que não se vê, mas que nós constituímos». «Agora podeis ser pedras vivas de uma maneira mais plena porque tendes este espaço para vos encontrardes verdadeiramente com Deus», complementou, alertando no entanto D. Manuel Quintas que os membros da comunidade «não podemos ser verdadeiras pedras vivas, verdadeira Igreja de Deus, sem Eucaristia»./ Referindo-se ao espaço «coração de cada igreja», o Bispo diocesano explicou a razão da únção do altar com o óleo crismal. «Na celebração que estamos a fazer, a parte mais importante é dedicada ao altar. O coração da celebração deste dia, da dedicação de uma igreja, é o altar. Por isso, no altar deita-se o óleo crismal, sinal da sua consagração a Deus, para simbolizar que aquele altar é como se fosse a pessoa de Cristo que está ali. O altar simboliza a pessoa de Cristo. Recorda-nos não só a mesa o­nde Jesus celebrou a Última Ceia, mas também a dimensão sacrificial de Jesus que se oferece na cruz e nos oferece a nós com Ele. O altar é o elemento central porque nos recorda a pessoa de Cristo que se oferece a Deus como se ofereceu na cruz e a cada um de nós em alimento na Eucaristia», esclareceu D. Manuel Quintas. Outro dos espaços litúrgicos valorizado pelo Bispo do Algarve na sua homilia foi o ambão, «espaço que serve para proclamar a Palavra de Deus». «Na igreja, um lugar muito importante que nós devemos também venerar e respeitar é o ambão», pois «é pela proclamação da Palavra de Deus que começa o despertar da fé, o sentirmo-nos congregados e unidos como comunidade», afirmou. Sobre o orago da nova igreja, o Imaculado Coração de Maria, D. Manuel Quintas recordou que «foi decidido, desde a primeira hora, dedicar não só esta igreja, mas a comunidade à protecção de Nossa Senhora». «É importante termos presente também na nossa vida de cada dia a presença e a acção de Maria para que ela seja verdadeiramente o nosso refúgio e seja ela constantemente a conduzir-nos para Jesus, a conduzir-nos uns para os outros e a conduzir-nos para este espaço», referiu. A propósito de um outro espaço de importância maior da nova igreja, o Bispo do Algarve lançou um apelo aos cristãos de Altura. «Que bom que seria que vós passasseis aqui durante a semana para rezar um ao Santíssimo Sacramento, manifestando a vossa fé na presença verdadeira e real de Jesus na Eucaristia», concretizou./ A celebração foi ainda concelebrada pelo padre Manuel Barbosa, Superior Provincial dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus (dehonianos) e presidente da CIRP – Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal, pelos padres Marcelino de Freitas e Carlos Silva, respectivamente actual e anterior párocos da comunidade de Altura. Presentes estiveram também outros sacerdotes dehonianos, vindos de fora da diocese, que quiseram associar-se a este momento festivo daquela comunidade entregue há vários anos aos cuidados da padres, membros da congregação do padre Leon Dehon. A celebração da dedicação da nova igreja contou ainda com a presença de entidades oficiais, entre as quais o presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, José Estevens. No decorrer da Celebração Eucarística foi então ungido o altar e as paredes da nova igreja e ainda realizada a sua incensação. Após a Eucaristia, que não terminou sem que fosse benzido o sacrário, realizou-se então a procissão com as imagens do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria pelas ruas de Altura.

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …