Em declarações à Renascença, o prelado convidou os eventuais a raptores a devolverem a menina, "mesmo que seja de uma forma privada, não pública, anónima, mas devolvam-na aos seus pais, porque o lugar dela é a sua família". "Gostaria que o caso não esmorecesse", acrescenta, para que "muitas pessoas se envolvam nesta situação". D. Manuel Quintas considera que a comunicação social portuguesa está a cumprir bem o seu papel e elogia a maneira exemplar como a Polícia Judiciária está a acompanhar este caso. "Da minha não tenho qualquer reparo a fazer, pelo contrário", apontou, pedindo que todos colaborem "forneçam as informações que pareçam mais adequadas". Na terça-feira, o Bispo do Algarve associou-se à corrente de oração pela menina britânica desaparecida de Lagos e deixou um apelo: "Pensem no sofrimento causado aos pais, a todos os pais, reconsiderem, entrem dentro de si e devolvam a Madeleine".