Ao dirigir-se aos estudantes que terminaram o seu curso, o Bispo do Algarve na sua homilia destacou três dimensões presentes na celebração daquele dia: a alegria, a gratidão e a esperança. “Alegria pelo esforço realizado, pelos sacrifícios enfrentados, pelas dificuldades ultrapassadas, pelos obstáculos vencidos, pelo caminho percorrido, pelo vislumbrar já do fim do curso, pela obtenção do respectivo grau académico, pela competência científica e profissional adquirida; gratidão pelo apoio recebido da parte de tantos que fazem parte da vossa vida ou se foram cruzando convosco ao longo do vosso curso: familiares, colegas, amigos, professores e funcionários do Instituto Superior D. Afonso III”, justificou D. Manuel Quintas. A somar a estes sentimentos, o Bispo diocesano acrescentou então o terceiro. “Se ao olhardes para o passado o sentimento que brota espontaneamente do vosso coração é de gratidão e o presente é marcado pela alegria que vindes exteriorizando de tantas formas nestes dias, o futuro tem que ser marcado necessariamente pela esperança”, afirmou, referindo-se aos “novos sonhos, projectos, dificuldades, desafios ou vitórias”. A propósito da nova fase da vida dos finalistas, o presidente da celebração clarificou o sentido daquela celebração. “É sobretudo para esta nova etapa da vossa vida que queremos invocar a bênção de Deus e, simultaneamente, acolher a mensagem que Ele, hoje, nos transmite”, observou o Prelado. Com base nas leituras proferidas, D. Manuel Quintas sublinhou que “a sabedoria é essa centelha de Deus presente no coração da cada homem e de cada mulher e que faz delas o centro da criação e seus colaboradores na construção de um mundo mais humano e mais fraterno”. Dirigindo-se directamente aos estudantes, exortou-os a colocarem os dons ao serviço comum. “Os dons com que o Espírito Santo vos cumulou, o saber que adquiristes, a competência científica e profissional que o vosso curso vos proporcionou, não podem constituir motivo de competição ou de divisão na comunidade humana. A vossa vida mais do que pela quantidade de dons e talentos que Deus vos concedeu, ou que fostes multiplicando, particularmente, com a conclusão do curso que hoje justamente festejais, vale pela intensidade de amor e pela qualidade do serviço que souberdes imprimir a esses dons, particularmente se os colocardes com generosidade e competência ao serviço do bem comum”, afirmou. “A sociedade de hoje precisa do vosso saber, do vosso dinamismo jovem, da vossa competência científica e profissional, da vossa vida pautada por valores que contribuam para construir um mundo mais humano e mais genuíno, cujo relacionamento entre pessoas, povos e culturas, seja fundado no respeito mútuo, na defesa da vida e na promoção da pessoa humana”, continuou, deixando-lhes um apelo. “Colocai sempre o conhecimento científico e a competência que ele vos proporciona ao serviço da paz e do progresso, ou seja da construção de um mundo mais pacífico, mais solidário e mais fraterno”, concluiu. O ofertório da celebração, que contou com a concelebração do padre António Manuel Martins, responsável pela Pastoral Universitária naquele estabelecimento de ensino superior, teve a mesma finalidade da renúncia quaresmal deste ano da diocese do Algarve, revertendo a favor da paróquia de Nossa Senhora do Rosário da diocese de Viana, em Angola.