Na homilia, que dirigiu de modo particular aos presbíteros algarvios, o Bispo diocesano pediu-lhes o “testemunho da fé e da caridade” e o “compromisso generoso e fiel em realizar a sua missão no seguimento de Cristo, dando a vida pelos homens seus irmãos”. D. Manuel Quintas lembrou-lhes ainda outras características do sacerdócio ministerial. “É um dom que nos transcende e uma missão da qual não somos donos mas servos”, frisou, considerando que este é o dia para “reanimar” esse dom de Deus. “Reanimar este dom é muito mais do que recordar o dia da própria ordenação. É próprio Deus que reanima o seu próprio dom que revela toda a extraordinária riqueza de graça nele contida”, complementou, pedindo aos sacerdotes “disponibilidade interior à acção do Espírito, pois é ele que sustém o presbítero no dever da fidelidade ao dom recebido e ao ministério que lhe foi confiado”. No seguimento do apelo que já dirigiu ao presbitério em anos anteriores neste mesmo dia, o Bispo do Algarve apelou ao crescimento na “intimidade” com Deus. Por outro lado, D. Manuel Quintas apelou ainda ao crescimento da relação entre os sacerdotes. “Precisamos igualmente uns dos outros. Precisamos de crescer ainda mais na estima recíproca como irmãos e como amigos. Não pudemos isolar-nos nem pessoal, nem pastoralmente. Isso equivaleria a uma contradição da nossa comum participação no mesmo sacerdócio de Cristo, na mesma missão e na mesma Eucaristia”, advertiu o Prelado, garantindo que este empenho deve começar por si próprio. Numa referência ao decreto Presbyterorum Ordinis, sobre o ministério e a vida dos sacerdotes, o Bispo do Algarve citou que “a união dos presbíteros com o Bispo é tanto mais necessária quanto nos nossos dias, por diversas razões, os empreendimentos apostólicos se revestem, não só de múltiplas formas, como também ultrapassam necessariamente os próprios limites da paróquia ou da diocese”. “Se todos nos empenharmos na realização deste propósito recuperará mais vigor o dom de Deus que está em nós, mais eficácia a nossa acção pastoral, mais alegria o nosso testemunho, maior proveito espiritual o povo que o Senhor nos confiou”, considerou. Por fim, D. Manuel Quintas pediu aos leigos estima pelos seus sacerdotes. “Rezai por eles e por mim. Rezai também pelos nossos seminaristas e pré-seminaristas”, solicitou, pedindo igualmente aos padres que estimem os fiéis que lhes estão confiados. Durante a celebração, que contou igualmente com a presença da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, foi ainda lembrado o padre Álvaro Campos, falecido no último ano e foram ainda benzidos e consagrados os óleos usados durante o próximo ano na administração dos sacramentos do Baptismo, Crisma, Ordem ou Santa Unção, ou na dedicação dos altares ou de novas igrejas. Particularmente significativo foi ainda o momento da renovação das promessas sacerdotais dos presbíteros presentes. Mais fotos na Galeria de Imagens