Cumpre-se assim não só a vontade da população local, mas sobretudo o desejo do sacerdote que desde 1991 se encontra sepultado no talhão do clero algarvio, no cemitério da Esperança, em Faro. A Comissão Executiva, constituída para levar a cabo esta iniciativa, sublinha o reconhecimento da população de Cachopo àquele que foi seu pároco desde 1933. “O padre Oliveira, que baptizou, casou e levou a sepultar várias gerações de filhos desta terra, bem merece a nossa presença e profunda gratidão”, consideram. O programa de homenagem tem início com a chegada a Cachopo dos restos do seu antigo pároco, no dia 9, pelas 19 horas. Um quarto de hora depois tem lugar, no salão dos Bombeiros, a oração de vésperas, seguida de uma conferência sobre a missão do sacerdote. À noite, no mesmo espaço, será realizado pelas 21 horas um concerto de música sacra. No Domingo, a oração de laudes, pelas 10 horas, será o primeiro acto do dia, seguindo-se, meia hora depois, a inauguração de uma exposição sobre o saudoso sacerdote, constituída sobretudo por fotografias várias, propriedade dos paroquianos, que ilustram diversas dimensões do ministério de sacerdotal exercido pelo antigo prior homenageado. Podem também admirar-se documentos que ilustram alguns aspectos do trabalho paroquial realizado na altura. De tarde, pelas 15 horas, será inaugurado um busto em representação do padre Júlio de Oliveira, seguindo-se a celebração da Eucaristia e a transladação para o cemitério local, sob a presidência do Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas.