“Se formos eleitos vamos começar por fazer coisas simples”, começa por referir, citando o fundador do escutismo mundial, lembrando que “Baden Powell dizia que o escutismo é muito simples”. “Os crescidos é que complicam tudo aos miúdos”, constata o chefe Edgar Correia, mostrando vontade de “descomplicar” e de fazer um “trabalho de patrulha”, começando por “estar com os agrupamentos para ver o querem”. “Não queremos decidir tudo porque há muita coisa que deve ser decisão dos agrupamentos e a vida de uma região não pode depender de uma Junta, mas de todos”, refere. A formação de competências nas chefias é uma das preocupações da lista candidata. “O trabalho tem de começar nos agrupamentos e os dirigentes têm de se preparar para trabalhar com os miúdos”, defende, lembrando que, de acordo com as normas do CNE, aprovadas em 2005, “para chefiar uma unidade tem de haver um dirigente com o CAP – Curso de Aprofundamento Pedagógico dessa unidade e nós não temos. Existem poucos. E por vezes temos pessoas com um CAP de II secção a dirigir uma III ou IV unidade ou com CAP de I a trabalhar com a II”, observa o dirigente. O chefe Edgar Correia sublinha ainda ser necessário realizar um escutismo à medida e gosto dos miúdos e não das chefias. “Para chegar aí, temos de chegar primeiro aos dirigentes”, defende. Por outro lado, aquele responsável considera imperativo aproximar ainda mais o movimento escutista católico da Igreja a que pertence. “Se somos um movimento da Igreja temos de nos comprometer com a Igreja”, justifica, identificando alguns aspectos que importa corrigir. “Quando se espera de um chefe que despenalize a nossa presença na igreja, há manifestamente alguma coisa que, a trás, não foi conduzida da melhor maneira”, frisa. Concretamente nos Caminheiros (18-22 anos), o chefe Edgar Correia também encontra aspectos a melhorar. “Se fizéssemos uma análise às intenções dos Caminheiros actuais chegávamos a uma triste conclusão: os Caminheiros, na sua idade, que é o momento de se comprometerem com o serviço, em vez de quererem servir os outros e a comunidade, querem antes actividades radicais e de desgaste físico”, lamenta, acrescentado que este facto “quer dizer que o seu percurso anterior foi muito mal conduzido”. “Se pedem isso agora é porque não tiveram anteriormente e houve qualquer coisa, atrás que falhou. A culpa é nossa (dirigentes) porque não lhe demos aquilo que eles queriam”, entende. A patrulha Lince espera ainda dinamizar mais a aproximação com a restantes associações escutistas portuguesas – AEP e AGP – e recuperar a colaboração com a região da Andaluzia. “Isso é benéfico para todos. É de todo o interesse que a região se abra aos outros, sobretudo ao MSC – Movimento Scout Católico espanhol”, advoga o chefe Edgar Correia. O projecto da construção da sede da Junta Regional do CNE é outra dimensão que a lista candidata pretende dinamizar. O chefe Edgar Correia explica ainda que decidiu candidatar-se porque, quando regressou de África, onde trabalhou nos últimos 3 anos, apercebeu-se que havia quem não estivesse de acordo com o rumo do CNE. “Notei que havia algum descontentamento na região”, explica, garantindo que por isso, e por “muitos” o incentivarem, resolveu avançar. Em África, ajudou a impulsionar o escutismo em Angola, trabalhando na AEA – Associação de Escuteiros de Angola, num agrupamento de 512 elementos com apenas 3 dirigentes. Realizou em Angola alguns CI – Curso de Introdução e CIP – Curso de Iniciação Pedagógica e participou na 31ª Conferência Zonal de Escutismo da África Austral. Em finais de Junho deste ano volta a Luanda para fazer 4 CAP, desta vez acompanhado por mais alguns dirigentes algarvios. A patrulha Lince é composta por mais 5 dirigentes escutistas que aqui apresentamos. Dois deles, os chefes José João Cercas e Rosalinda Lourenço, transitam da actual Junta Regional ainda em funções. Patrulha Lince

width=130 Chefe regional Edgar Correia
width=121 Chefe regional adjunta Filomena Correia
width=121 Secretária Regional Cristina Martins
width=106 Secretário Regional João Vasco Reys
width=123 Secretário Regional José João Cercas
width=120 Secretária Regional Rosalinda Lourenço