Carlos Oliveira, presidente da Caritas algarvia, garantiu à FOLHA DO DOMINGO que adesão das pessoas fez-se sentir até porque o resultado foi mais positivo que o ano passado. Aquele responsável refere, no entanto que os produtos angariados nesta iniciativa que decorre entre uma a duas vezes por ano “não é suficiente” para apoio às mães grávidas e aos seus filhos. Por vezes, têm de recorrer à ajuda de outras pessoas ou entidades. No entanto, confirma Carlos Oliveira, “esta iniciativa é muito importante para que este serviço seja conhecido pela comunidade”.