Oriundos das comunidades paroquiais de Alte, Boliqueime, Montenegro, Nossa Senhora da Conceição (Matriz) e Nossa Senhora do Amparo de Portimão, Olhão, Quarteira, Quelfes, Querença e São Pedro de Faro, os adultos agora admitidos aos sacramentos iniciação cristã (Baptismo, Confirmação e Eucaristia), iniciaram uma nova fase do seu catecumenado: purificação e iluminação, deixando de ser catecúmenos para passar a ser eleitos. Primeiramente os ainda catecúmenos participaram num encontro com o Bispo diocesano, decorrido nas instalações do CEFLA – Centro de Estudos e Formação de Leigos do Algarve, o­nde puderam ser esclarecidos sobre o caminho da catecumenado. Após a visualização de um vídeo sobre o tempo quaresmal, D. Manuel Quintas lembrou aos cerca de 80 participantes (incluindo catecumenos, padrinhos, párocos e catequistas) que, «quando começou na Igreja este caminho catecumenal, a Quaresma era o tempo em que aqueles que iam ser baptizados na Páscoa tinham, todos os dias, catequeses com o bispo». Destacando a Quaresma como «preparação para a festa da Páscoa», o Bispo diocesano lembrou que «é neste tempo quaresmal que se insere este caminho próximo de preparação para o baptismo» e frisou a importância da perseverança na caminhada do catecumenado. «É fundamental que entendam que ser baptizados é algo novo na vossa vida», disse. Já na Catedral diocesana, o Bispo do Algarve voltou, na sua homilia, a sublinhar que «ser baptizado significa uma mudança na vida». «Quem decide iniciar o caminho do catecumenado não pode predispôr-se a ser baptizado através destes ritos e continuar como antes, como se nada tivesse acontecido na sua vida. Ser baptizado significa ser mergulhado nas águas e sair uma nova criatura», afirmou D. Manuel Neto Quintas. Referindo-se à «elequente» Palavra de Deus, escutada no I Domingo da Quaresma, nas exigências que faz aos catecúmenos, alertou para o «pecado da autosuficiência», o «perigo de pensarmos que podemos prescindir de Deus» e deu alguns exemplos como «a tentação da riqueza, da glória, do poder, da honra ou do triunfo». O Prelado lembrou ainda aos catúmenos que «viver sem Deus é viver sem ânimo, sem alma, sem espírito» e que, pelo contrário, é preciso «acolher Deus como o mais importante acontecimento da vida». «Em Cristo somos iluminados pela opção de Deus e n’Ele recebemos a força para prosseguir. Ser baptizado significa optar por este caminho. O importante é que ao dar este passo tenhamos consciência da exigência que nos é feita», concluiu D. Manuel Quintas. Acompanhados pelos seus padrinhos, garantes nesta sua caminhada de fé, os candidatos depois de apresentados pelo diácono Luís Galante, Delegado Diocesano do Catecumenado, aproximaram-se do Bispo diocesano. Após terem sido interrogados padrinhos e candidatos, os segundos inscreveram em livro próprio o seu nome, gesto que confirma a sua vontade em receber os sacramentos da iniciação cristã, o que deverá acontecer nas próximas solenidades pascais. Até lá os agora eleitos irão celebrar as fases seguintes, chamadas de escrutínios, no terceiro, quarto e quinto domingos da Quaresma.