Tal como em 1948, também agora a imagem da Virgem de Fátima foi cedida pela diocese do Algarve, a pedido da Irmandade de Nossa Senhora das Angústias da diocese de Huelva. Ao final da tarde do dia anterior, sexta-feira, a imagem mariana era entregue pela paróquia de Silves aos fiéis de Ayamonte ainda em Vila Real de Santo António, seguindo depois de ferry-boat para a outra margem do rio Guadiana. Na margem portuguesa, a cerimónia contou com a presença do executivo municipal. Para além de dezenas de embarcações portuguesas e espanholas, também um destacado dispositivo de segurança composto por patrulhas de escolta da Armada e da Guardia Civil espanhola e da Marina de Guerra Portuguesa, acompanhou o trajecto pelo rio, tendo a imagem peregrina sido recebida em Ayamonte ao som da banda de música, seguindo em procissão até à igreja paroquial de Nossa Senhora das Angústias que permaneceu aberta durante toda a noite. No sábado, cristãos vindos de muitos pontos da Andaluzia e não só, assim como um significativo grupo de portugueses aguardavam a chegada da imagem mariana à paróquia de Nossa Senhora das Angústias. Após a sua chegada, o cortejo processional seguiu pelas ruas da localidade onubense, até ao campo de futebol Cidade de Ayamonte, tendo como um dos momentos mais emblemáticos a chegada do andor à Plaza de la Ribera. Passavam alguns minutos das 21 horas quando o cortejo deu entrada no estádio municipal, lotado por milhares de devotos que fizeram questão de estar presentes na celebração da Eucaristia, presidida pelo Bispo de Huelva, D. José Vilaplana, tendo assistido também o presidente da Câmara de Ayamonte, Antonio Rodríguez, e o pároco organizador, Juan José Martín, entre muitas outras autoridades. Ao fim de hora e meia, a procissão retomou o caminho de volta à igreja de Nossa Senhora das Angústias, permanecendo a imagem mariana no seu interior disponível durante toda a noite para a veneração dos fiéis. O domingo, – o dia do regresso da imagem mariana ao Algarve –, ficou marcado pela celebração eucarística com a presença de mais de 400 idosos e doentes, realizada na igreja de Nossa Senhora das Angústias, durante a qual receberam o sacramento da Santa Unção. Participada por cerca de 2.000 pessoas, a celebração foi presidida pelo Bispo Emérito de Huelva, D. Ignacio Noguer Carmona, que também recebeu o sacramento. Visivelmente emocionados, os idosos e doentes, dispostos em quatro grandes filas, depois da unção com os óleos santos, receberam uma medalha dourada com a representação da Virgem de Fátima que se esgotou em pouco tempo, sendo substituídas por estampas com a imagem. Na Eucaristia, dedicada aos mais desprotegidos da sociedade, D. Ignacio Noguer referio-se a Cristo como “médico de almas e corpos”, procurando animar os convalescentes cujas circunstâncias de vida considerou constituírem “um modo de santificação”. Pouco depois do meio dia, após a celebração, duas dezenas de agentes da Guardia Civil espanhola rodearam de novo a imagem que voltou às ruas de Ayamonte. "Meu Deus! Que bonita! Valeu a pena ter vindo vê-la, pois a minha fé saiu reforçada!”, comentava María Cortés, vinda propositadamente de Lepe para participar na celebração. Pelas ruas, solenemente engalanadas, a imagem peregrina foi recebida com muitas pétalas e cânticos. Também o presidente da Câmara de Ayamonte fez questão de carregar o andor. A imagem, que cruzou desta vez a fronteira pela Ponte Internacional do Guadiana, seguiu até ali escoltada por dois veículos da Guardia Civil e regressou a Silves, acompanhada pelo seu pároco, o padre Carlos de Aquino, que marcou presença nas celebrações de recepção e de despedida em Ayamonte.