Por outro lado, foi ainda assinalado no decurso deste ano o 150º aniversário do nascimento do fundador do escutismo, Baden-Powell. A marcar o encerramento das comemorações de todas estas efemérides, a Junta Regional do Algarve promoveu a edição do XI ACAREG – Acampamento Regional do Algarve na Mata Nacional do Barão de São João, no concelho de Lagos. No âmbito do programa de come-mo rações do centenário, o CNE do Algarve comemorou logo em Fevereiro, em Olhão, conjuntamente com a Associação dos Escoteiros de Portugal e a Associação das Guias de Portugal, os 150 anos do aniversário do nascimento de Baden-Powell (BP) com a realização do Dia de BP que teve a participação de quase 2000 associados, praticamente todo o efectivo dos escutas algarvios. À primeira grande manifestação das comemorações do centenário seguiu–se a participação simbólica no Jamboree Mundial 2007, de 27 de Julho a 8 de Agosto, em Londres, com uma representação de cerca de 30 elementos. Também da região algarvia participaram no XXI ACANAC – Acampamento Nacional e no XXIII Jamboree Português, em Agosto, em Idanha-a-Nova, cerca de 200 escuteiros. Num ano em que o CNE voltou, uma vez mais, a contar no seu Plano Regional de Actividades com a comemoração também do Dia de São João de Brito e de São Paulo e do Dia de São Jorge, o ACAREG foi a realização mais importante e consequentemente o culminar de todo um ano particularmente significativo para os escutas do Algarve. Participada por cerca de 500 elementos, incluindo dirigentes, de 16 dos 29 agrupamentos algarvios (a que se juntou o Agrupamento 760 de Lisboa), a actividade foi subordinada ao tema dos quatro elementos da natureza: terra, ar, água e fogo. Com o campo organizado segundo as 3 secções – lobitos (6-10 anos), exploradores (10-14 anos), pioneiros e marinheiros (14-18 anos) – mais uma área de serviços de adultos para os caminheiros (18-21 anos), dirigentes e outros adultos colaboradores que não estavam integrados nas secções, o ACAREG viveu cada dia dedicado a um dos 4 elementos. Ao longo dos 5 dias, os escuteiros realizaram actividades tendo em conta essa temática e essa mística concreta. No dia da água, por exemplo, os pequenos Lobitos, para além das múltiplas actividades aquáticas, tiveram de construir uma réplica da caravela quinhentista ‘Boa Esperança ‘que mais tarde foram visitar na Marina de Lagos. Com um programa muito preenchido, o ACAREG 2007 contou com muitas saídas ao campo, raids de observação e orientação, jogos diversos, em terra ou na água, actividades radicais como escalada ou rappel. Também os Fogos de Conselho realizados à noite, à volta da fogueira, com todo o contingente de campo, constituíram momentos importantes de criatividade, descontracção e de fortalecimento do espírito de grupo, bem como para a consecução dos objectivos do Acampamento Regional que visou “a vivência do escutismo contribuindo para a abertura de novos horizontes, no campo cultural, social, técnico e pedagógico; potenciar a formação integral das crianças e jovens, através de acções que realcem os valores cristãos, como a tolerância, a amizade e a fraternidade, bem como, contribuir para o reforço da imagem do CNE na região do Algarve como proposta educativa, conducente ao desenvolvimento integral da juventude”. No campo, para além de uma parede de escalada, foi ainda instalada uma zona de chuveiros, e uma rádio de campo, cujo objectivo foi trazer alguma animação ao acampamento. Para além de fazer os anúncios relacionados com a programação, a estação radiofónica, assegurada por um pequeno grupo que se responsabilizou em cada dia, procurou transmitir todas as informações necessárias à organização do campo, e teve ainda a missão de promover alguns jogos e passatempos. Igualmente importante foi a intervenção que teve na questão da reciclagem que, como não pôde deixar de ser, continuou a ser uma preocupação dos escuteiros quando acampados. Com recurso a uma música própria, a rádio de campo dava o sinal para a preparação da recolha dos resíduos sólidos em todo o acampamento. Nesta área, a Junta Regional do Algarve contou com o apoio da ALGAR – Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos, empresa responsável pela recolha dos resíduos no Algarve, que disponibilizou vários contentores de divisão e que faziam a recolha no campo. Em campo existiu ainda uma capela, uma loja de campo para venda de recordações diversas, um bar e uma enfermaria. O apoio das Câmaras de Lagos, Lagoa e Portimão, garantiu ainda o fornecimento de casas de banho portáteis, de tendas de campanha e de um palco e a colaboração da Direcção Geral dos Recursos Florestais assegurou o empréstimo da Casa do Guarda. O dia de sábado ficou marcado pela visita do Bispo do Algarve ao XI ACAREG. D. Manuel Neto Quintas destacou a importância dos valores incutidos pelo escutismo e a sua contribuição na formação humana das crianças e jovens do Algarve. Lembrando a frase de Nossa Senhora que serve de lema do Programa Pastoral da diocese para o selénio que se está a viver – “Fazei o que Ele vos disser”–, o Bispo diocesano exortou os escutas a acolher este apelo mariano e a identificarem-se, cada vez mais, com a pessoa de Jesus. “Gostaria que olhando e contemplando a imagem de Nossa Senhora vos deixásseis conduzir por ela até Jesus. Ela quer que nós escutemos e façamos aquilo que Ele nos diz”, afirmou. O ponto alto do XI ACAREG foi a Eucaristia que encerrou a actividade. Sob a presidência do assistente regional, padre Domingos Fernandes, a celebração eucarística constituiu também um momento de acção de graças pelo facto de o grave acidente de Maio com os agrupamentos 413 e 715, respectivamente, de Ferragudo e Estômbar, ter ocorrido sem consequências de maior e de todos os acidentados estarem a recuperar bem. No final houve lugar a uma festa de encerramento com a presença de alguns convidados.