Precisamente no ano em que completa 50 anos de vida, o Colégio, propriedade da diocese do Algarve, vê então reconhecido, pela autarquia farense, o seu trabalho em prol da educação e formação dos muitos alunos, que ao longo do último meio século por ali têm passado. O Colégio de Nossa Senhora do Alto, adquirido pela diocese do Algarve em Dezembro de 1954, entra em funcionamento a 9 de Janeiro de 1955 com a abertura das aulas, tendo a instituição tido a sua origem, 25 anos, no Colégio de Santa Catarina em Monchique. Na sessão solene que teve lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal e que contou com a presença do Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, o presidente José Vitorino garantiu a todos os medalhados que eles mesmos “são o orgulho e o símbolo da afirmação e da identidade da Capital do Algarve”. “Mas são também grandes porta-estandartes desta milenar terra de cultura que é Faro e símbolos de uma unidade social e cívica que tem de ser cada vaz mais reforçada com grande dignidade. Por isso, as medalhas e diplomas que receberam, por certo, muitos vos honram, honram-nos também a nós por as entregarmos, mas levam consigo a nobre carga de contribuir para um Faro cada vez melhor e mais forte. Hoje vossas excelências juntam-se à galeria dos outros distinguidos, constituindo um verdadeiro “exército de pessoas de bem” na cruzada vitoriosa de Faro nos desafios do século XXI”, afirmou o autarca. A irmã Maria Engrácia de Oliveira, Superiora das Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, a congregação religiosa a quem está confiado há 75 anos o colégio, em declarações ao semanário diocesano Folha do Domingo, dedica à diocese algarvia esta distinção. “É um estímulo para nós, Congregação Religiosa das Irmãs Franciscanas, e é uma grande alegria porque sentimos que o nosso trabalho dignificou a diocese do Algarve. Antes de mais nada, esta medalha é dedicada inteiramente à diocese do Algarve porque foi para ela que trabalhámos durante estes anos”, refere a irmã a quem foi entregue a medalha pelo presidente da Assembleia Municipal, António Gomes Ferreira. Presente esteve também o director do Colégio de Nossa Senhora do Alto, o padre Carlos César Chantre. Para além do Colégio de Nossa Senhora do Alto, a autarquia farense homenageou ainda com a Medalha de Ouro da Cidade, a Associação Académica da Universidade do Algarve, António Farinhó, José Marques da Silva, o restaurante Camané e, a título póstumo, o bombeiro João Paulo Afonso e João Brito Vargas, democrata e anti-fascista. Com a Medalha de Mérito Municipal – grau ouro foram também distinguidos a Federação das Associações da Ria Formosa, o professor de ténis, José Rosa Nunes, a CAPA – Centro de Arte Performativas do Algarve, a Associação para o Desenvolvimento Comercial da Zona Histórica de Faro, a Casa de Santa Isabel e a Uniprofrutal. Com a Medalha de Mérito Municipal – grau prata foram ainda distinguidos a Casa dos Açores no Algarve, a Casa do Alentejo no Algarve, Aníbal Guerreiro, calceteiro da Câmara Municipal, António Policarpo, José Manuel Rodrigues, a ARCA – Associação Recreativa e Cultural do Algarve e a Associação de Pais da Escola de São Luís. Homenageados com a Medalha de Mérito – valor desportivo foram ainda Rui Isidro Machado, o Clube de Petanca de Faro, José Pinto Faria, Júlio Marcelino e José Monteiro, atleta parolímpico.