Em Faro, a Eucaristia foi precedida pela Adoração ao Santíssimo Sacramento e pela Oração de Vésperas, às quais presidiu o padre José António Lopes, superior da comunidade franciscana e membro do Secretariado Regional da CIRP. Tal como em Odeáxere, na capital algarvia, a igreja encontrava-se cheia, não só pelos consagrados presentes, que vieram de todas as comunidades do sotavento (Quarteira, Loulé, Faro Olhão, Martinlongo) mas também por um grupo numeroso de fiéis que se associou a esta celebração. Na homilia, o Bispo diocesano, D. Manuel Neto Quintas, manifestou o seu regozijo pela presença dos consagrados na diocese e exprimiu o seu “louvor ao Senhor pela riqueza dos seus carismas e do seu serviço dedicado em tantas frentes”. O Bispo do Algarve convidou os presentes a estarem em comunhão com os consagrados que à mesma hora celebravam em Odiáxere e congratulou-se com os Franciscanos, comunidade que acolheu a celebração, pela ocorrência dos 800 anos de fundação, cuja celebração iniciaram há pouco tempo. D. Manuel Quintas centrou a sua reflexão na pessoa de Cristo – “luz da nações” – “do qual todos os baptizados, e os consagrados de modo especial são convidados a dar testemunho qualificado de seguimento e de identificação com Ele”. No contexto da publicação da primeira encíclica de Bento XVI, Deus é amor, referiu que “só uma experiência do amor gratuito de Deus, manifestado na pessoa e na vida de Jesus, é capaz de levar à doação plena da própria vida, consagrando tudo, presente e futuro, nas suas mãos”. “É a oferta total e plena do consagrado a Deus que ajuda a compreender a sua verdadeira identidade”, disse D. Manuel Quintas, referindo ainda que “a doação plena a Deus dos consagrados, ou seja, o manterem sempre fixo o olhar no rosto do Senhor, não diminui neles o empenho em favor do homem, antes os dota de uma capacidade sempre renovada de se sentirem impelidas a cuidarem da imagem divina deformada nos rostos de tantos irmãs e irmãos desfigurados pela fome, pela doença, pela violência quotidiana e indiscriminada e pela solidão”. “A vida consagrada demonstra pela eloquência das obras, que a consagração total a Deus é estímulo e fundamento do amor gratuito e actuante junto dos mais desfavorecidos. Quanto mais se vive de Cristo e para Cristo, melhor se pode servi-l’O nos outros”, lembrou o Prelado. A terminar, exortou ainda todos os presentes “a não esmorecerem na oração pelos consagrados e para que surjam na igreja diocesana do Algarve vocações de consagração”. Após a homilia, todos os consagrados presentes renovaram os seus votos e antes da apresentação dos dons, um membro de cada Instituto presente, referiu, brevemente, a especificidade do seu carisma e como se processa o seu serviço à diocese. Após a Eucaristia os consagrados e o Bispo diocesano continuaram a celebração deste dia em convívio, partilhando, numa das salas da comunidade de São Francisco, uma ceia fraterna, fruto do contributo de todos. No Algarve estão presentes 21 Institutos de Vida Consagrada, com 110 membros, dos quais 20 são Institutos Religiosos (6 masculinos e 14 femininos) e um é Instituto Secular feminino. Estão distribuídos por 24 comunidades. O conjunto dos 20 Institutos religiosos têm 19 padres, 2 irmãos e 80 irmãs e o Instituto Secular tem 9 membros.