Os irmãos e irmãs participantes (estas últimas em larga maioria) procuraram reflectir de manhã, sob a orientação do padre Manuel Barbosa, superior provincial dos Sacerdotes do Coração de Jesus (dehonianos), sobre o trabalho dos consagrados na área da pastoral social. De tarde visitaram a Fortaleza e o Promontório de Sagres e a praia de Salema, terminando, na capela de Nossa Senhora da Guadalupe, com um momento de oração dedicado aos 800 anos da vocação franciscana, carisma de várias congregações presentes nas três dioceses. A meio do dia, precisamente às 12 horas, realizou-se o ponto alto daquela jornada de confraternização e encontro dos consagrados das dioceses do Sul do país, com a Eucaristia na igreja de Almádena. Presidida pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas – também ele religioso, membro da congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (dehonianos), – a celebração, concelebrada por outros sacerdotes das três dioceses, sublinhou alguns aspectos que devem nortear a vida dos consagrados. Numa alusão ao dia que amanheceu chuvoso, o Bispo do Algarve, que começou por lembrar que “quem tem o coração aquecido pelo amor de Deus, não há chuva nem frio que o arrefeça”. Na homilia, D. Manuel Quintas, constatou que a missão é o dinamismo que inspira a vida dos religiosos. “A missão preside a tudo o que somos na Igreja e orienta toda a formação nos diferentes institutos. É para aí que converge a nossa vocação e a nossa consagração”, afirmou. Por outro lado, o Bispo diocesano sublinhou que o sentido da mensagem que os consagrados anunciam é Jesus Cristo. “Não nos anunciamos a nós mesmos. Somos servos e servidores de Cristo. Somos também destinatários da Palavra que anunciamos”, disse o prelado, evidenciando a importância do testemunho na vida dos religiosos. “Falamos mais pela vida e testemunho do que pela nossa palavra. Nos dias de hoje é o testemunho aquilo que mais fala, interpela e questiona uma sociedade «distraída» daquilo que diz respeito à acção de Deus”, considerou, acrescentando que “todo o serviço dedicado aos outros é certamente um milagre que consolida a Palavra anunciada”. D. Manuel Quintas deixou ainda um apelo à humildade. “É impossível viver em fidelidade a Cristo, à Palavra anunciada, ao serviço da Igreja e aos irmãos, sem uma atitude de humildade”, frisou. Já no final da Eucaristia classificou como “importante” o serviço, “muitas vezes escondido”, que os religiosos prestam às três dioceses. Das consagradas presentes, 10 tinham já experiência de trabalho em países de missão ad gentes. No Algarve são seis as congregações religiosas masculinas presentes, 13 as femininas e existe ainda um instituto secular feminino. A Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (claretianos), Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (dehonianos), Congregação do Espírito Santo (espiritanos), Ordem dos Frades Menores (franciscanos), Companhia de Jesus (jesuístas) e Congregação do Santíssimo Redentor (redentoristas) completam as primeiras, enquanto as consagradas pertencem às Carmelitas Descalças, Carmelitas Missionárias, Congregação da Divina Providência e Sagrada Família, Dominicanas de Santa Catarina de Sena, Filhas de Maria Auxiliadora (salesianas), Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, Franciscanas Missionárias de Maria, Instituto das Irmãs de Santa Doroteia, Instituto Missionário Filhas de São Paulo (paulinas), Instituto das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, Missionárias da Caridade (madre Teresa de Calcutá), Missionárias Reparadoras do Sagrado Coração de Jesus e à Sociedade das Filhas do Coração de Maria. O instituto secular feminino é o das Cooperadoras da Família.