Inicio / Noticias / Conselheiros pronunciaram-se sobre a forma de melhor viver a Eucaristia na diocese

Conselheiros pronunciaram-se sobre a forma de melhor viver a Eucaristia na diocese

Tendo lugar na igreja de São Pedro do Mar, em Quarteira, a Assembleia Plenária do CDP, depois de celebrada Eucaristia, procedeu à eleição do secretário-geral, tendo sido eleito pela segunda vez o padre Joaquim Nunes. Após este primeiro acto eleitoral o CPDA elegeu então os membros da Comissão Permanente, tendo sido eleitos, pelos sacerdotes, o padre Carlos Aquino, pelos diáconos, o diácono Luís Galante, pelos Institutos de Vida Consagrada, o padre Marcelino de Freitas e pelos leigos, Carlos Oliveira, Manuel Nora, Graciete Egídio e Filomena Calão. Da parte da tarde, os conselheiros reflectiram, em cinco grupos, sobre a temática “A Eucarístia: fonte e cume da vida e da missão da Igreja”, tendo como base de reflexão algumas perguntas extraídas do questionário final do “Lineamenta”, o documento preparatório da XI Assembleia Geral Ordinária do próximo Sínodos do Bispos, agendado para Outubro do próximo ano. Os conselheiros poderam então, de acordo com as questões em causa, pronunciar-se sobre quatro áreas distintas: a doutrina eucarística e a formação; os Sacramentos da Eucaristia e da reconciliação / a Eucaristia e os demais sacramentos; a devoção eucarística / a Santa Missa e a vida litúgico-devocional; e Eucaristia e vida moral/Eucaristia e missão. As conclusões apresentadas pelos conselheiros em plenário sublinharam a importância de se promover «formação para toda a comunidade», «aproveitando a graça do Ano Eucarístico», procurando «aprofundar a vivência da Eucaristia», através, por exemplo, de «catequeses sobre o Missal Romano» e tirando partido de todas as ocasiões propícias, como «homílias ou celebrações de exéquias». A necessidade de «educar para a Eucaristia» poderá passar também, segundo os conselheiros, pela «realização de desdobráveis formativos para entrega nas celebrações dominicais» e pela «formação dos grupos de fiéis mais assíduos à Eucaristia» para que constituam «sinal para os restantes membros nas assembleias». Os conselheiros defenderam ainda a necessidade de se instituir, em cada paróquia, a «adoração ao Santíssimo Sacramento, pelo menos uma vez por mês, asseguradas, na ausência do presbítero, por um grupo coordenado por um ministro extraordinário da comunhão» e de se promover «experiências de Lausperene de forma mais continuada». Foi igualmente sugerido o «aproveitamento dos tempos de Advento e Quaresma para se implementar formação mais aprofundadada» e a necessidade de «formação sobre o acto da comunhão». Foi ainda sugerido «que se aproveite documentos como o Catecismo da Igreja Católica e a encíclica do Papa, “Ecclesia de Eucharistia” para os momentos de adoração ao Santíssimo Sacramento», bem como a sua «divulgação nos boletins paroquiais e jornal diocesano». Os membros do CPDA referiram-se ainda à necessidade de, «aproveitando a presente revisão dos catecismos de iniciação cristã», «se reforçar, naqueles subsídios, o valor da Eucaristia, bem como a consciência de pecado». Os conselheiros sugeriram também «a criação de uma página no jornal diocesano para a explicação da Eucaristia às crianças». Sobre a forma de evitar a «banalização da celebração da Eucaristia em qualquer acontecimento», os membros do conselho defenderam que «a Eucaristia deverá ser celebrada unicamente para fiéis conscientes», cabendo ao sacerdote «discernir se deve ou não, perante cada situação concreta, proceder-se à celebração», uma vez que «os sacramentos são, por si só, já portadores de significado e importância». No decorrer desta primeira Assembleia Plenária do triénio de 2004/2007, proporcionou momento de particular discussão a reflexão sobre a estratégia para fazer chegar a formação aos mais afastados.No final da jornada de aconselhamento do Bispo diocesano, D. Manuel Neto Quintas, agradeceu a presença empenhada e colaborante de todos.

Verifique também

Cristãos, judeus e islâmicos debateram a multiculturalidade no Algarve

Após a intervenção de Sara Ferreira, antropóloga, sobre a questão da multiculturalidade, Ralf Pinto, director …