Em Portugal, desde a dinastia de Avis que o culto a Jesus na Eucaristia se arraigou em todo o país, o­nde o preito e a adoração ao Santíssimo Sacramento estão bem patentes na procissão do Corpo de Deus que percorre ruas e avenidas das nossas cidades, vilas e aldeias… É bom recordar o que Jesus disse aos Seus discípulos ao despedir-se do tempo pascal: «Eu estarei convosco até à consumação dos séculos…». De facto, dos vários modos da presença de Jesus entre nós é, sem dúvida, a de maior relevo, a sua verdadeira, real, amiga, empenhada e constante presença no Santíssimo Sacramento. A propósito desta presença divina de Jesus Sacramentado, a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, no ano da Eucaristia e a seguir à Encíclica sobre a Eucaristia, de João Paulo II, publicou uma Instrução, em que se lê: “O culto à Eucaristia fora da Missa tem uma valor inestimável na vida da Igreja. Esse culto está estritamente unido à celebração do Sacrifício eucarístico. Por conseguinte, promova-se com empenho a devoção, quer pública quer privada, à Santíssima Eucaristia também fora da Missa, a fim de que os fiéis prestem culto de adoração a Cristo verdadeira e realmente presente é «Sumo Sacerdote dos bens futuros e Redentor do universo…» E acrescenta: “os fiéis não omitam fazer durante o dia a visita ao Santíssimo Sacramento, como prova de gratidão, sinal de amor e dívida de agradecimento a Cristo Senhor aí presente. A adoração a Jesus presente no Santíssimo Sacramento, o facto, enquanto Comunhão do desejo, une fortemente o fiel a Cristo, como resplende do exemplo de numerosos santos…” Por todas estas razões é bem evidente a importância da prática de piedade e de amor visitar-se Jesus Sacramentado, tantas vezes abandonado e até desrespeitado nos nossos Sacrários…