D. Manuel Quintas, que presidiu na Catedral algarvia, em Faro, à celebração litúrgica, exortou alegremente dando voz ao sentimento de muitos cristãos que se reuniram, como em todas as paróquias do Algarve, do País e do mundo, para a celebrar o acontecimento maior da sua fé. “Acreditamos e proclamamos com todo o vigor da nossa fé e da fé da Igreja que Cristo vivo e ressuscitado está verdadeiramente no meio de nós. É esta a razão pela qual a liturgia desta noite celebra o facto mais importante e decisivo da história da Salvação, o mistério mais denso e profundo da nossa fé: a ressurreição do Senhor. É por isso que a denominamos como a mãe de todas as vigílias, a liturgia mais solene de todo o ano litúrgico”, justificou o Bispo diocesano. D. Manuel Quintas sublinhou a importância dos diversos elementos simbólicos constituintes da Vigília Crismal, garantindo que “é Cristo ressuscitado que está presente no Círio Pascal, na Palavra, na água baptismal, no óleo do Crisma, e na Eucaristia”. Numa alusão ao começo da celebração, iniciada simbolicamente no escuro para acendimento do Círio Pascal, o Prelado salientou que “a Igreja, e nela cada baptizado, age no mundo guiada por esta luz que é Cristo e que passa para cada baptizado no dia do seu Baptismo”. “É esta a nossa missão e para a exercemos em fidelidade a Cristo devemos com esta luz iluminar as situações mais escuras da vida do mundo”, complementou, acrescentando que “a vitória da luz sobre as trevas decide-se também no coração de cada baptizado quando deixa que a luz de Cristo se transforme em luz da fé”. A propósito da extensa liturgia da Palavra que caracteriza a Vigília Pascal, D. Manuel Quintas explicou que “as leituras proclamadas narram as etapas mais significativas da história da Salvação com o objectivo de tudo fazer convergir para Cristo”. Por outro lado, o Bispo diocesano lembrou que a liturgia da celebração adquire também para os cristãos participantes um “significado muito particular”, não só porque todos têm oportunidade de renovar as suas promessas baptismais, mas pelos catecúmenos que recebem os sacramentos da iniciação cristã. Neste contexto, o Bispo do Algarve recordou que “o Baptismo é verdadeiramente a Páscoa do cristão”. “Cada domingo deve ser para nós uma Páscoa semanal. Estamos continuamente em ambiente de Páscoa. Todos os dias, o cristão celebra a Páscoa, sobretudo aos domingos quando participa na Eucaristia e sobretudo quando combate o homem velho do pecado para se revestir do homem novo que é Cristo Ressuscitado”, justificou. A terminar, o Bispo diocesano exortou ainda os presentes a fazer o mesmo que as mulheres que se encaminharam logo pela manhã para o túmulo de Cristo. “Corramos também nós, levando a alegre e contagiante notícia da ressurreição do Senhor”, estimulou. Após a bênção da água do baptismo com a qual seria aspergida mais tarde a assembleia presente, D. Manuel Quintas baptizou 4 catecúmenos, agora designados neófitos, e crismou 15 cristãos, também adultos. Na diocese do Algarve foram baptizados nesta noite mais 24 catecúmenos adultos. Mais fotos na Galeria de Imagens