Esse fundo será gerido por uma comissão constituída por alguns membros da Comissão Permanente do Conselho Pastoral da Diocese do Algarve, nomeadamente o ecónomo diocesano, diácono Luís Galante, Carlos Oliveira e Albino Martins e por uma assistente social da Caritas Diocesana do Algarve. Recorde-se que o Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, já na sua mensagem do último Natal destacava a “insegurança e a instabilidade geradas pela crise financeira, económica e social em que vivemos”, considerando que estas não podem tornar os cristãos “surdos ao clamor pobres”, nem podem induzir a “desviar o olhar dos mais necessitados”, ou a fechar o coração “diante do sofrimento dos outros”, ou a retrair ou anular a “partilha solidária com quem tem menos” e não consegue satisfazer as necessidades humanas elementares. Todos aqueles que quiserem doar as suas renúncias quaresmais em favor dos mais necessitados poderão fazê-lo, através das suas paróquias, entregando a sua colaboração directamente aos párocos com referência dessa intenção ou, de forma anónima mas com igual referência do destino da oferta, nos ofertórios das Eucaristias paroquiais. O ano passado, as renúncias dos cristãos algarvios totalizaram o valor de 26.676,04 euros, tendo revertido a favor da paróquia de Nossa Senhora do Rosário, na diocese de Viana, em Angola. Em 2007, a renúncia quaresmal dos crentes algarvios, no valor de 36.277,98 euros destinou-se a ajudar à construção do complexo paroquial do vicariato do Sagrado Coração de Jesus, na Pedra Mourinha, em Portimão.