O Bispo diocesano exorta, no documento intitulado “Jejum solidário” (disponível na secção ‘Documentos’), os cristãos algarvios valorizarem “pessoal e comunitariamente” este tempo, “intensificando a oração, como resposta à leitura diária da Palavra de Deus, se possível em família, praticando o verdadeiro jejum para que, despertos pela situação em que vivem tantos irmãos”, os leve a “cultivar e a assumir o mesmo gesto solidário do Bom Samaritano que se inclinou e socorreu o desconhecido caído à beira do caminho”. “Não deixemos que a insegurança e a instabilidade motivadas pela situação que presentemente vivemos, já com profundos reflexos em tantas famílias, nos tornem insensíveis a uma partilha solidária, fruto do nosso jejum quaresmal”, pede D. Manuel Quintas, lembrando que este ano a renúncia quaresmal algarvia reverte, por indicação do Conselho Presbiteral, a favor dos atingidos pela crise. “Que este jejum solidário, unido a outras formas de conversão quaresmal, possa constituir para todos o caminho mais eficaz de encontro com Cristo ressuscitado”, termina D. Manuel Quintas.