A comemoração que acontece anualmente, teve, na edição de 2008, vários motivos do agrado dos estudantes, com muitas actividades ao ar livre. Escalada, skate, tiro ao alvo com arco e flecha, matraquilhos humanos, entre outros insufláveis, jogos tradicionais, ateliês de karaoke, de ioga, de tereres, de bijutaria e de trabalhos com pasta de papel, foram algumas das actividades que ocuparam e divertiram os participantes durante toda a tarde. A par de isto tudo houve ainda um stand da disciplina de EMRC, onde também estiveram expostos os trabalhos do concurso “Viver Partilhando” levado a cabo no âmbito do presente ano lectivo. Esta iniciativa do Secretariado do Ensino da Igreja nas Escolas da diocese do Algarve teve ainda a participação de professores de outras disciplinas que se disponibilizaram a colaborar com os seus colegas de EMRC na elaboração e realização das actividades descritas. O dia terminou com a participação no I Concerto Jovem que teve lugar no Pavilhão Desportivo Municipal de Loulé, uma organização conjunta do Secretariado do Ensino da Igreja nas Escolas e do Sector da Pastoral Juvenil da diocese do Algarve, aberta também à noite aos grupos de jovens das paróquias algarvias. Embora cansados, muitos adolescentes e jovens aguardaram ansiosamente pelo início do concerto que teve início com muito atraso, motivado pelos ensaios que se prolongaram até ao final da tarde. Também muitos, talvez desgastados pela espera dentro do pavilhão, tentaram sair para a rua, enquanto outros ainda não pararam de circular dentro do edifício. A Banda Jota, vinda da Guarda, foi a primeira actuação a abrilhantar a noite. Temas como “É a Hora”, “(a)Braços”, “Quero olhar-Te”, “Amor no Ar”, “Sou quem És”, “Cireneu”, “Acreditar” ou “Vamos dar as mãos”, com uma sonoridade marcadamente pop-funk ajudaram as cerca de 1100 pessoas presentes a fazer festa. Seguiu-se Héber Marques e a sua banda que interpretaram músicas que se inserem num variado leque musical que vai desde o pop-rock ao hip-hop, passando pelo reagge, embora sempre com uma forte influência soul-funk. “Por tudo o que fizeste”, “Foi em Ti”, “Te quero”, “Tudo susténs”, “Teu nome é Santo”, “Vem”, “Nada me fará parar” e “Sobrenatural” foram os temas trazidos por aquele grupo de Cascais. O encerramento da noite coube aos Terceira Margem, de Setúbal, que finalizaram tendo apenas uma assistência de pouco mais de uma centena de pessoas, uma vez que os alunos começaram a sair cedo por causa dos autocarros que os levaram de regresso às suas escolas de origem. Também conhecidos pela sua música de intervenção, cuja sonoridade, igualmente variada, engloba o hip-hop, reggae, funk e pop-rock, os Terceira Margem trouxeram ao palco temas como “Acontece”, “A quem iremos nós?”, “Semeador”, “De mãos vazias” ou “Palavra”. No final, as três bandas subiram ao palco e, em conjunto, fizeram a festa. Mais fotos na Galeria de Imagens