Como peregrinos, os algarvios continuaram a deixar-se conduzir por Maria tal como o fizeram ao longo dos últimos dois anos e foram a Fátima, em representação de cada uma das paróquias e comunidades algarvias, da Igreja diocesana do Algarve e até de todo o povo algarvio que foi simbolicamente depositado nas mãos e no coração da Senhora de Fátima. Isso mesmo o fez questão de sublinhar o Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, que presidiu à Peregrinação Diocesana do Algarve. No auditório do Centro Pastoral Paulo VI, a tarde teve início com as boas vindas do Bispo diocesano, D. Manuel Quintas, seguindo-se a celebração que não só procurou exprimir o que se viveu com a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, mas projectou também os objectivos que a diocese tem para o novo ano pastoral de 2009/2010 que agora se iniciou. Os vários momentos litúrgico-simbólico-artísticos ajudaram o auditório a reviver e enquadrar a visita mariana e perspectivar o futuro próximo no contexto da sociedade actual, sendo a entronização da imagem peregrina no auditório um dos momentos mais significativos da tarde. “Temos prédios altos mas casas fechadas; espaços maiores e famílias reduzidas; auto-estradas largas, mas pensamentos estreitos; gastamos mais e possuímos menos. Visitámos a Lua, mas estamos distantes dos vizinhos; tanto nas vitrinas e tão pouco nas dispensas. Construímos computadores e privilegiámos a técnica e comunicamos menos”, lamentava-se. Em destaque esteve a Pastoral Vocacional, a Pastoral Sócio-caritativa e a Pastoral Familiar, os três sectores a privilegiar pela Diocese do Algarve no decurso no próximo biénio pastoral de 2009-2011. A tarde no Centro Pastoral terminou com a emotiva e comovida despedida à imagem de Nossa Senhora que foi entregue ao Santuário, perante o acenar de um mar de lenços azuis estampados com o logótipo da diocese algarvia. Seguiu-se depois a Eucaristia celebrada na igreja da Santíssima Trindade presidida pelo Bispo do Algarve e concelebrada pelo numeroso grupo de sacerdotes algarvios presentes, assim como a oração do rosário, após o jantar, na capelinha das Aparições, e a procissão de velas, tendo o Algarve ficado ainda com a recitação do primeiro mistério do terço. A Peregrinação Diocesana a Fátima teve ainda a particularidade de ser participada por um peregrino que seguiu a pé, quase sempre descalço, desde Cacela até Fátima e por um outro que preferiu ir de cavalo, tendo merecido o reconhecimento do Bispo diocesano pelo sacrifício. Mais fotos, brevemente na Galeria de Imagens