Na cerimónia de inauguração, presidida pelo Bispo do Algarve, o padre Carlos de Aquino, coordenador do Departamento Diocesano da Pastoral Litúrgica (DDPL) que promoveu a iniciativa programada pela Comissão Permanente do Conselho Diocesano da Diocese do Algarve através de uma comissão nomeada por D. Manuel Quintas, explicou que a mostra brotou no contexto da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima e dos apelos pastorais que então foram dirigidos à Igreja do Algarve pelo Bispo diocesano. O sacerdote explicou que a exposição encontra-se organizada em três partes. “A primeira, intitulada ‘Nos caminhos da devoção’, convida-nos a partir de um Portugal que na sua história secular sempre manifestou singular devoção a Nossa Senhora. E ao olharmos para uma região deste país, na qual vivemos – o Algarve – que é também terra de Santa Maria, são imensas as paróquias existentes na nossa diocese (42) cujo orago é Nossa Senhora. Aqui são várias as expressões de arte que manifestam a piedade e a devoção do povo algarvio a Maria”, afirmou. “Na segunda parte, intitulada ‘Feliz é Tu porque acreditaste!’, somos convidados a contemplar e percorrer, partindo da Escritura, a vida de Nossa Senhora. A arte cristã, ao ritmo da piedade e devoção, permite-nos acompanhar a vida de Nossa Senhora, desde a sua infância até à sua glorificação. Nas nossas igrejas são-nos apresentados os momentos mais significativos da vida de Maria como testemunham as peças da segunda sala”, complementou. Por último, referiu-se à terceira e última parte intitulada ‘Santa Maria… rogai por nós’. “O Concílio Vaticano II recomendou a todos os filhos da Igreja que fomentem generosamente o culto da Virgem, sobretudo litúrgico, porque todas as festas de Maria são festas de Cristo e nascem da Páscoa do Senhor. São vários os títulos e as invocações à Virgem que brotaram desta consciência cristã e que a terceira sala documenta”, disse. D. Manuel Quintas lembrou a reabertura do Paço Episcopal de Faro após três anos e meio da realização da exposição ‘A invenção do mundo’. O Bispo do Algarve manifestou a vontade de que a exposição possibilite “entender melhor” a característica mariana da Igreja diocesana algarvia e que a passagem da imagem peregrina despertou em cada recanto da Diocese do Algarve. “Queremos, com esta exposição, que a contemplação dos diferentes quadros da vida de Maria evocados pelas peças expostas, nos ajudem a entendê-los à luz d’Aquele que a todos dá sentido e para o qual queremos peregrinar com Ela e ainda com Ela junto d’Ele permanecer, como nos indica o nosso Programa Pastoral neste próximo biénio”, complementou o Prelado, que manifestou ainda o desejo de que os ambientes do Paço Episcopal possam ser utilizados em posteriores exposições. “A realização de sucessivas exposições permitir-nos-á não só valorizar estes ambientes, como também dar a conhecer o testemunho das nossas gentes algarvias no modo eloquente e sábio como souberam conjugar a Fé, a Arte e a Cultura, num mosaico de manifestações plásticas, às quais ninguém fica indiferente”, justificou D. Manuel. A inauguração, que teve continuidade com a visita por parte das dezenas de pessoas presentes, contou ainda com alguns momentos musicais protagonizados por alguns jovens da diocese. A exposição, composta por 61 peças de escultura (sobretudo imaginária), paramentaria, alguma pintura (como ex-votos) com origem desde o século XV até à actualidade contemporânea, irá manter-se patente ao público até dia 5 de Outubro próximo, na conclusão da visita da imagem peregrina da virgem da Cova da Iria ao Algarve que será entregue ao Santuário de Fátima nesse mesmo dia, no âmbito de uma peregrinação da Diocese do Algarve. Até lá os visitantes podem admirar a mostra, mediante a aquisição um ingresso no valor de 1 euro, com horário de segunda a sexta-feira, das 10 às 13.00h e das 14.30 às 18h e ao sábado das 10 às 13h. Mais fotos, brevemente na Galeria de Imagens