Presidida pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, a peregrinação da Igreja algarvia destina-se sobretudo aos jovens, unindo-se assim à movimentação de juventude que desde 1950 começou a rumar espontaneamente à Comunidade Ecuménica de Taizé. Embora acompanhados por um grupo de famílias e também por mais alguns adultos, os jovens peregrinos algarvios, dos 15 até aos 29 anos, serão este ano em maior número. Normalmente, da diocese algarvia costumam seguir para Taizé no Verão dois autocarros com cerca de 100 participantes, mas este ano esse número deverá ser superior. Segundo o Sector Diocesano da Pastoral Juvenil, departamento responsável pela organização da iniciativa, as inscrições até ao momento são já suficientes para encher três autocarros, de 50 lugares cada, um de Aljezur, outro de Loulé e um terceiro de Tavira. No entanto, este número poderá vir a aumentar, pois até ao final deste mês ainda deverão chegar mais inscrições. Neste momento, o único grupo inscrito já fechado é o das seis famílias. Pais, filhos e avós ficarão, na ‘Olinda’, uma casa de Ameugny, a aldeia vizinha a 600 metros da comunidade. Ali, no seio da comunidade ecuménica ficarão jovens e adultos, respectivamente em tendas e em alojamento colectivo. Outra particularidade desta Peregrinação Diocesana incide no facto de esta ser a primeira vez que o Bispo diocesano preside à peregrinação dos algarvios àquela comunidade, mas também de ser a primeira presença de D. Manuel Quintas em Taizé. A peregrinação, que contará com dois dias de viagem à ida e os mesmos no regresso, fará uma passagem pelo santuário mariano de Lourdes (França), onde os peregrinos pernoitarão na primeira noite rumo a Taizé. Ali será celebrada uma Eucaristia presidida por D. Manuel Quintas. Já o regresso a Portugal será directo. As inscrições de jovens e adultos poderão continuar a ser feitas para os Serviços Diocesanos de Pastoral, no Largo da Sé, 20 – 8000-138 Faro, pelo telefone 289 807 590, pelo fax 289 800 400 ou pelo e-mail vigarariapastoral@diocese-algarve.pt. Os valores são de 150 euros para os jovens, 215 euros para os adultos (com mais de 30 anos). A Comunidade Hoje, a comunidade de Taizé reúne uma centena de irmãos, católicos e de diversas origens evangélicas, vindos de mais de 25 países, incluindo um português. Comprometem-se para toda a vida na partilha dos bens materiais e espirituais, no celibato e numa grande simplicidade de vida. Os irmãos ganham a sua vida pelo próprio trabalho e não aceitam qualquer donativo. Nesse mesmo sentido, se um irmão recebe uma herança familiar, a comunidade oferece-a aos mais pobres. Além dos livros, CDs e DVDs, os irmãos de Taizé fazem também objectos em cerâmica, esmaltes sobre o cobre e outros objectos. Os seus trabalhos estão expostos e à venda em Taizé na sala da exposição. Por Taizé têm passado alguns responsáveis de várias Igrejas. Recorde-se o acolhimento ao Papa João Paulo II, mas também a três bispos de Cantuária, metropolitas ortodoxos, a catorze bispos luteranos da Suécia e a numerosos pastores do mundo inteiro. O irmão Roger faleceu no dia 16 de Agosto de 2005, com 90 anos, assassinado por uma mulher romena, com golpes de uma arma branca no pescoço durante a oração da noite. O prior da comunidade é agora o irmão Aloïs, escolhido pelo irmão Roger para seu sucessor. O ritmo da semana Aos peregrinos são propostos vários grupos com temas diferentes, por semana. São igualmente sugeridos workshops ao fim da tarde, com temas à escolha e a todos é pedido para participarem plenamente nas diferentes actividades. Os peregrinos podem ainda, ao longo da semana, colaborar com as actividades de manutenção da comunidade, durante alguns momentos do dia, caso não optem pela modalidade de silêncio durante todo o dia. A simplicidade da oração que parece atrair os jovens Três vezes por dia, pára tudo na colina de Taizé: o trabalho, os estudos bíblicos e as partilhas em pequenos grupos. Os sinos chamam toda a gente para rezar na igreja. Centenas, por vezes milhares de jovens de diversos países do mundo, rezam e cantam com os irmãos da comunidade. Nas semanas de Verão chegam a juntar-se em Taizé até quatro a cinco mil jovens de mais de 80 nacionalidades. Os cânticos, entoados repetidamente, entram facilmente na memória. Seguidamente, um texto bíblico é lido em várias línguas. No centro de cada oração comunitária, um longo período de silêncio é o momento privilegiado para encontro com Deus. Com efeito, o que parece atrair tantos jovens a Taizé é a simplicidade da oração, procurada ao longo dos tempos pela comunidade, conjuntamente com a oportunidade de conhecer outros jovens e novas culturas. A oração, acessível, meditativa, aliada aos cânticos repetitivos, parece ser a receita que faz de Taizé um lugar de eleição para a juventude. Enraizados na tradição monástica, os cânticos de Taizé, em si, não são canções ao estilo dos jovens, no entanto, entoados e interiorizados no contexto da oração comunitária, parecem conquistar a todos. A preparação dos jovens algarvios No âmbito da preparação e sensibilização com vista à participação dos jovens algarvios na Peregrinação Diocesana a Taizé, decorreram ao longo do presente ano pastoral diversos encontros de oração por todas as vigararias da diocese algarvia. Organizados por uma equipa de Aljezur em colaboração com o Sector Diocesano da Pastoral Juvenil, estes encontros de promoção e preparação da Peregrinação Diocesana a Taizé procuraram levar os jovens a identificar-se com a espiritualidade de Taizé, tendo sido nalguns casos visionado um DVD sobre aquela comunidade ecuménica. Para além destas vigílias de oração foi ainda aproveitada pela organização, a presença em Portugal do ícone da amizade que o reitor da comunidade de Taizé, o irmão Aloïs, entregou aos jovens europeus no final do 29º Encontro Europeu de Zagreb (Croácia), na última passagem de ano. Solicitada à comunidade de Taizé por João Cabral, um dos membros da equipa promotora, a presença da cópia do original realizado no Egipto no século IV, foi ainda aproveitada para sensibilizar para a espiritualidade de Taizé e para a peregrinação algarvia.