Louvámos o Senhor pelo dom do saudoso Papa João Paulo II, pelo testemunho duma fé inquebrantável, alicerce sólido da sua paixão por Cristo, pela Igreja e pelo mundo. Unimos a nossa oração a toda a Igreja, invocando do Espírito Santo a sua luz sobre o Colégio dos Cardeais, reunidos em Conclave, chamados a eleger um novo sucessor de Pedro. Neste momento, queremos dar graças, efusivamente, o Senhor pelo dom do Papa Bento XVI. O consenso conseguido entre os Cardeais, logo ao quarto escrutínio; as qualidades que lhe são reconhecidas (inteligência invulgar, grande cultura, profunda espiritualidade, sólida formação teológica e doutrinal, conhecimento do mundo de hoje, simplicidade evangélica); a grande experiência acumulada ao longo dos vinte e quatro anos que foi colaborador pessoal do Papa João Paulo II; o espírito revelado nestes dias após a sua eleição, quer no nome escolhido, quer nas mensagens “programáticas” proferidas, quer mesmo nos primeiros contactos com o povo, constituem a certeza de que Deus nos concedeu, na pessoa de Bento XVI, o Pastor que a Igreja precisa no momento actual. É possível que alguns se tenham deixado influenciar por sentimentos preconceituosos a seu respeito, divulgados por alguns comentadores nacionais e estrangeiros, baseados mais em suposições infundadas do que num conhecimento profundo da sua pessoa e do seu serviço dedicado à Igreja e a João Paulo II. Sabemos já que tal apreciação, não corresponde à verdade. Convido toda a Igreja Diocesana a invocar a luz e a força do Espírito para que, o Papa Bento XVI seja, como sucessor de Pedro e Pastor universal da Igreja, princípio e fundamento da comunhão, sinal visível de Cristo entre os homens, promotor do diálogo e da paz entre povos e nações.