Depois das vigílias de Silves (14 de Março), Quarteira (25 de Abril) e Tavira (2 de Maio), a última destas iniciativas decorreu em Lagos, na igreja de São Sebastião, tendo estado presentes cerca de 50 pessoas, incluindo um grupo de animadores algarvios de jovens (e respectivos formadores vindos dos Porto) que esteve durante o último fim-de-semana em formação no Centro Pastoral e Social de Ferragudo. Com base na palavra de São Paulo escutada nas leituras, o padre Pedro Manuel, director do Secretariado Diocesano da Pastoral Vocacional (SDPV), que presidiu à celebração, exortou os presentes a dizer como o apóstolo de Tarso: “«Sei em quem pus a minha confiança e sei que não ficarei desiludido»”. “Neste noite, o Senhor também diz a cada um: «Não te envergonhes de dar testemunho de mim»”, referiu o sacerdote, realçando que, “se para uns a vocação verdadeira é o matrimónio, para outros será a consagração e para outros o ministério presbiteral”. “O importante é que todos e cada um encontrem o seu caminho de felicidade e a sua vocação verdadeira”, explicou, acrescentando que “a vocação verdadeira é aquela que não parte de nós, aquela que, recebida no nosso coração, veio da única e verdadeira fonte: Deus”. “Deus chama-nos diariamente para desígnios novos que o Senhor quer dar às nossas vidas. Não podemos querer continuar a responder aos problemas de hoje com respostas ultrapassadas de ontem”, justificou ainda. A vigília que contou com três testemunhos vocacionais de uma irmã consagrada, uma família e um seminarista, teve ainda a participação especial do grupo Laudate que interpretou temas como “Chama por Mim”, “Tu Deus de Amor”, “Presença Invisível”, “Dom da Vida”, “Spe Salvi” ou “Maria, a Escolhida”.