Segunda-feira 19 de Agosto de 2019
Inicio / Noticias / «Europa, Fé e Cultura» – conferência do Padre César Chantre em Albufeira

«Europa, Fé e Cultura» – conferência do Padre César Chantre em Albufeira

No decurso da mesma afirmou o padre César Chantre: «A fé não teme a razão. Não é possível firmarmo-nos só na experiência. Mesmo quando esta manifesta a interioridade do homem e a sua espiritualidade, é necessário que a reflexão especulativa alcance a substância espiritual e o fundamento que a sustenta», citando o Papa João Paulo II. Referiu depois que «A dictomia entre a ciência a razão trouxe dissabores à investigação científica por parte da Fé que não soube em devido tempo dar valor àquela e, posteriormente, entre a investigação científica e a Fé, porque pensou que esta fosse invadir a sua esfera de acção». «Não podemos confundir o objecto da Ciência com o da Fé», afirmou o padre César Chantre, prosseguindo «A Ciência tem como objectivo descobrir as verdades da natureza e a Fé tem como objectivo colaborar com o homem na sua relação com o transcendente. Uma complementa a outra e nunca pode entrar em guerra. Todas as vezes que isso aconteceu a Ciência perdeu e a Fé caiu». Desta intervenção daquele presbítero junto dos rotários albufeirenses quer no texto da sua conferência como em resposta a diversas questões que lhe foram colocadas destacamos: «A Europa representa a fonte de crescimento para outras culturas e por isso os europeus têm que ter muito cuidado com o que estão a fazer»; «Uma cultura que não tenha algo de espiritualidade é uma cultura vazia e que, mais dia menos dia, vai absorvê-la. Não nos esqueçamos que até a cultura asiática está a ter grande incremento na Europa»; «O celibato dos padres não é uma doutrina mas uma disciplina da Igreja. E uma grande riqueza para a Igreja Católica Latina porque na Igreja Católica Oriental não é obrigatório o celibato. O que entendo é que a Igreja Latina deve-se abrir para outras vocações sacerdotais dentro da Igreja para prever os celibatários e os casados». No que se refere à CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) o padre César Chantre colocou a pertinente questão: «Alguma vez os bispos africanos ou brasileiros foram chamados subtilmente para colaborarem nessa Comunidade? Claro que não. Os responsáveis devem estar mais atentos às coisas profundas e não ficar só pelas palavras que, em vez de serem instrumento de cultura passaram a ser instrumento de coisa nenhuma».

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …