Sendo a mais nova de 10 irmãos, entrou para as Carmelitas Descalças de Bangalore em Maio de 1944, pois Goa não tinha Carmelo. Realizou o noviciado e no ano seguinte recebeu o Hábito de Nossa Senhora do Monte Carmelo e ao fim de um ano fez a Profissão de Votos Simples. No ano de 1947, acompanhada da madre prioresa Elisabeth de la Trinité e demais irmãs, regressou a Goa para a fundação do Carmelo. Depois da independência de Goa alguns dos seus familiares vieram para Portugal. Tendo ouvido falar, em 1976, da fundação do Carmelo algarvio rumou também ao território português, integrando o provisório Carmelo em Faro, a 8 de Agosto de 1978. Doente de artrite reumatóide aguda, a irmã Maria Clara nos últimos anos ficou bastante limitada e oferecia o seu sofrimento a Deus pela paz da humanidade e pelos sacerdotes. “Aceito tudo e ofereço-me com Jesus ao Pai para que a paz e a alegria que gozo neste cantinho do paraíso, irradie na humanidade e se projecte especialmente nos sacerdotes”, dizia. Nos últimos meses, um acidente vascular cerebral associado a complicações cárdio-respiratórias agravou ainda mais o seu estado de saúde. As irmãs Carmelitas Descalças testemunham estar a viver horas “de graça e bênção”. “A atmosfera que nos envolve é simplesmente…celestial! E respira-se um não sei quê de divino junto da nossa querida irmã Maria Clara do Divino Coração que sempre alimentou a esperança de ser purificada neste vale de lágrimas para ir direitinha ao Céu e contemplar o rosto adorado do seu Abbá querido”, relatam. A celebração das exéquias, presidida pelo Bispo do Algarve, D. Manuel Quintas, terá lugar amanhã, no Mosteiro de Nossa Senhora Rainha do Mundo, pelas 11 horas. A irmã Maria Clara do Divino Coração como acontece com todas as religiosas daquela comunidade ficará sepultada no cemitério do próprio mosteiro.