O testemunho dos jovens que estiveram presentes nos três dias de muita música e animação constituíram um afirmar da actualidade da linguagem e vivência da juventude católica. Actividades sem fim preencheram os dias do Festival. Dança contemporânea, hip-hop, pinturas faciais, animações, karaté, taekwondo, rapel, slide, oficinas de instrumentos musicais como viola ou bateria, oficinas de reflexão, jogos vários – cartas, malha, arco – aeróbica, cavalos para fazer equitação, catequese, momentos de oração, espaço para o Sacramento da Reconciliação, para Celebração Eucarística, demonstração de pirotecnia, visitas guiadas à Serra da Estrela e à cidade da Covilhã, caminhadas e uns mergulhos numa queda de água natural, foram algumas das actividades que ocuparam os participantes de sexta à noite a domingo à tarde. Tudo isto durante o dia, porque para a noite esteve sempre reservada para a música. Para além dos anfitriães Banda Jota, o grupo da Pastoral Juvenil da diocese da Guarda, ao longo dos três dias passaram ainda pelo palco o padre João Paulo Vaz, Héber Marques, Spiriteen, D. José (Espanha), Kyrios, Terceira Margem, Shepherd (Espanha), Claudine Pinheiro, Sopro do Espírito e Anima Christi.