Em Tunes, o problema comum às localidades do interior leva os jovens a sair da paróquia para irem estudar. No Algoz o pároco garante não ter encontrado jovens quando chegou, situação que diz ter acontecido também na Guia. Francisco Brás, catequista e chefe do CNE de Algoz, confirma a carência de juventude. “Se tivéssemos um grupo de jovens activo a dinâmica seria outra”, considera. Em Algoz, o pároco procurou fundar o agrupamento do CNE, a funcionar desde Julho passado, de forma a garantir num futuro próximo a existência de jovens na paróquia. Na Guia, o pároco salienta a existência de um grupo de jovens acólitos que está a assistir a adolescência e juventude. Os jovens na Guia têm sido acompanhados por Sérgio Silveira que os tem procurado inserir nos diversos sectores da vida da comunidade. “Vamos arrancar agora com um grupo de jovens após o Crisma. Quero fazer encontros de formação com membros de outras paróquias e procurarei criar laços entre diversos elementos, alargando esta mobilização e sensibilização aos próprios pais”, idealiza o responsável.