Segunda-feira 16 de Setembro de 2019
Inicio / Noticias / Fuseta recebeu a Festa do Apostolado do Mar

Fuseta recebeu a Festa do Apostolado do Mar

Este encontro nacional do Apostolado do Mar teve início com uma concentração, junto à lota, prosseguindo com um cortejo pelas ruas da vila até à igreja paroquial onde foi celebrada a Eucaristia que começou com a construção de um puzzle pelos representantes das comunidades que, juntamente com o centro ‘Stella Maris’, integram em Portugal esta dinâmica: Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo, Caxinas, Aveiro, Buarcos, Nazaré, São Martinho do Porto, Peniche, Setúbal (Anunciada e São Sebastião), Sesimbra e Fuseta. Com os nomes dos doze apóstolos, tantos quanto os grupos paroquiais que integram o Apostolado do Mar, as peças foram sendo colocadas até revestirem a estrutura em forma de barco colocada em frente ao altar. Após a celebração, o almoço foi servido no recinto da escola primária local, terminando com um tempo de convívio entre as gentes do mar de Norte a Sul do país. O padre Sílvio Couto, director nacional, que presidiu à missa, começou por esclarecer que “a Festa do Apostolado do Mar é muito mais do que a festa das praias” e salientou a importância da esperança cristã, por entre sinais de desespero e de desânimo. “Temos a obrigação de ser homens e mulheres de esperança, por ventura chorando quando se perde alguém da comunidade marítima”, afirmou, apelando a uma “cultura de respeito, de diálogo e amizade”. Por outro lado, o sacerdote exortou à vivência do Apostolado do Mar em “pequenos grupos” nas paróquias, como “espaços de partilha e de interligação”, lembrando que o mesmo “é uma espiritualidade e não um movimento qualquer” que deve ir à procura daqueles que vivem a “mentalidade marítima” e não apenas dos pescadores. Realçando o Dia Mundial das Comunicações Sociais que também se assinalou no último domingo, o sacerdote estimulou à criação de um sítio do Apostolado do Mar na Internet. Por fim, destacou o encontro na Fuseta como “uma nova etapa no Apostolado do Mar” que deverá lançar “raízes mais fundas” para aquela espiritualidade se possa tornar presente em mais paróquias e dioceses como o Porto ou na cordoa marítima do Alentejo. Após a celebração, o almoço foi servido no recinto da escola primária local, terminando com um tempo de convívio entre as gentes do mar de Norte a Sul do país. Mais fotos brevemente na Galeria de Imagens

Verifique também

Bispo do Algarve destacou ação das Misericórdias para “curar as chagas humanas e sociais”

O bispo do Algarve considerou ontem que “as Misericórdias se situam entre as instituições que, …