No que se refere ao Centro de Bem-Estar Social Nossa Senhora de Fátima, na freguesia de Quelfes, o projecto contempla a construção de uma creche e jardim-de-infância, alargando o apoio já prestado pela instituição que acolhe meninas, em regime de internato, desde os três anos até à idade adulta. A obra da comunidade paroquial de Santa Bárbara de Nexe passará a contar com 66 lugares de creche e terá um aumento de 75 lugares no de jardim-de-infância, passando assim para 100 lugares nesta valência. A instituição da freguesia de Quelfes, entregue aos cuidados de uma comunidade das irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, terá capacidade para acolher 33 crianças, de ambos os sexos, mas em regime de externato, sendo que aquela freguesia do concelho de Olhão é também bastante carenciada daquele tipo de respostas sociais. Os responsáveis de ambas as instituições são unânimes em considerar a necessidade urgente de apoios desta natureza. A irmã Odete de Almeida, superiora da comunidade religiosa presente no Centro de Bem-Estar Social Nossa Senhora de Fátima destaca que se trata de "uma valência que faz muita falta em Olhão". Também o padre Júlio Tropa Mendes, pároco de Santa Bárbara de Nexe, explica que a paróquia resolveu avançar com o projecto "devido à grande procura de mães que não têm onde pôr os filhos". "Temos uma lista de espera de crianças enorme", complementa, justificando que aquela "é uma paróquia em crescimento". Os terrenos para a construção dos dois equipamentos são já propriedade das respectivas instituições, sendo que no caso de Santa Bárbara de Nexe situa-se junto ao Lar e Centro de Dia, propriedade da paróquia, enquanto em Olhão é no espaço do Centro de Bem-Estar Social. No passado dia 28 de Junho, em cerimónia realizada no salão nobre do Governo Civil de Faro, decorreu a cerimónia de assinatura dos contratos de comparticipação financeira e de cooperação, no âmbito do PARES – Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais a que se candidataram as duas instituições. Presidido pelo Secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Manuel Marques, o acto de subscrição dos acordos com mais 9 instituições algarvias significou um investimento total do Estado na região no valor de 6,6 milhões de euros, o que segundo aquele governante representará a criação de 628 novos lugares nas áreas da primeira infância e da terceira idade. Pedro Marques considerou mesmo que "o distrito de Faro soube interpretar como mais nenhum no País, o espírito do PARES". O Secretário de Estado explicou que foram contratualizadas no Algarve "dois terços das candidaturas" aprovadas a nível nacional na área das creches. "O PARES é um programa com uma prioridade muito clara nesta área que está materializada neste distrito, com mais de 400 vagas novas em creches para os diversos concelhos do distrito de Faro", afirmou, salientando que, a nível nacional, "este programa vai significar no seu final mais de 450 milhões de euros em equipamentos sociais". "Isto é mais do que os últimos 10 anos de investimento em equipamentos sociais no nosso País", frisou, considerando que se houvesse 5 vezes mais recursos teria havido o quíntuplo de candidaturas. O governante considerou ainda o investimento no Algarve "muito significativo, porque é um impulso de ponto de vista do desenvolvimento social". "Um distrito como o de Faro onde o desenvolvimento económico é uma realidade, o desafio é que esse desenvolvimento e crescimento seja para todos", disse. Sobre os 400 novos lugares em creches lembrou que "significam 400 famílias que são apoiadas na conciliação da sua vida profissional com a sua vida familiar". Mas aquele membro do Governo deixou ainda algumas garantias sobre a atribuição dos apoios. "Não vamos ter a mesma situação do PIDDAC. Este financiamento estará disponível logo que os vossos autos de medição começarem a chegar à Segurança Social", assegurou, sublinhando que não haverá a espera de 6 ou 7 anos que, às vezes, acontecia com o PIDDAC. "Só aprovámos candidaturas do PARES na justa medida dos recursos financeiros que já estão inscritos no Orçamento de Estado. Não aprovaremos projectos nas próximas fases para lá daquilo que são os recursos disponíveis no âmbito do Orçamento de Estado", justificou. Pedro Marques informou ainda que a gestão das obras será "por ajuste directo ou por consulta por negociação apenas a três entidades", isto porque "o Estado hoje tem a certeza que as IPSS são bons utilizadores dos dinheiros públicos e bons parceiros na implementação da rede de equipamentos sociais". Na prática, não será assim necessário o lançamento de concursos públicos, nem concursos internacionais, o que permitirá ganhar algum tempo no arranque das obras. O Estado espera assim contribuir para que o início das construções ocorra "o mais rápido possível". Com a cerimónia realizada em Faro terminou o périplo realizado em todos os distritos do País com a assinatura dos contratos do PARES, o qual visa essencialmente estimular um modelo de financiamento ao investimento privado em equipamentos sociais, com o objectivo de aumentar a capacidade instalada em respostas sociais nas áreas da infância, deficiência e população idosa, através dos recursos financeiros provenientes dos jogos sociais. No caso do equipamento de Santa Bárbara de Nexe, o montante global da obra ascende a 1 milhão e 400 mil euros, sendo que a comparticipação do PARES é de 65 por cento. O Município de Faro irá comparticipar com 35 por cento e os restantes 697 mil 174 euros ficarão a cargo da paróquia. A obra promovida pelo Centro de Bem-Estar Social Nossa Senhora de Fátima de Olhão terá um investimento total de 283 mil 140 euros e será comparticipada em 169 mil 834 euros pelo PARES. As restantes instituições que viram as suas candidaturas aprovadas foram: a Casa da Criança do Rogil (Aljezur), a Associação de Solidariedade Social de Montenegro (Faro), a Associação Sócio Cultural de Almancil, a Fundação António Aleixo e o Grupo de Amigos de Salir (Loulé), a Associação Tempus (Olhão), o Lar de Crianças Bom Samaritano (Portimão), a Associação Amigos dos Pequeninos e a Santa Casa da Misericórdia (Silves) e o Lar António Coelho Lima (Tavira). Paróquia de Estoi candidata-se à segunda fase do PARES No âmbito da segunda fase do PARES – Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais, o Centro Cultural e Social da Paróquia de São Martinho de Estoi apresentou também uma candidatura com vista à construção do Lar de Terceira Idade e Creche que se encontra presentemente em fase de apreciação. A obra, cuja primeira pedra foi benzida há alguns anos, terá capacidade para 30 utentes no lar e 66 crianças na creche. O investimento global ascenderá a 1 milhão e 19 mil euros, sendo a comparticipação do PARES, no caso de ser aceite, de 50 por cento e a da Câmara de Faro de 35 por cento, cabendo à paróquia o financiamento de 152 mil 869 euros.